Folha de S.Paulo

De onde vem a homofobia?


É uma palavra engraçada, sua tradução do grego é "medo de iguais". Ora, toda a natureza humana está voltada para ter medo dos diferentes: quem não é da tribo deve ser inimigo, pensavam nossos ancestrais africanos (só eles?), de modo que a melhor palavra grega para nós seria "heterofobia" (medo de diferentes).

Mas a acepção que ficou é de "ódio aos gays". Se você reparar, é um sentimento quase que exclusivo de homens em relação a outros homens. O que leva a isso? Que encrenca têm os homens com o homoerotismo?

É coisa complexa, começa com a formação da identidade masculina e o horror aos diferentes. Quando um menino é pequeno, ele começa a perceber que as meninas são de fato diferentes dele: só 10% delas são "Tom boys", sobem em árvores, jogam futebol, correm, lutam e são companheiras dele como um amigo. As outras 90% fazem coisas incompreensíveis para ele, como brincar de boneca e de casinha. São diferentes.

Ai, meu deus, já ouço os culturalistas a dizer que isso é "porque eles são ensinados assim". Não é! Crie um menino dos 90% (os outros 10% equivalem ao "Tom boy" das meninas) entre tias, babados e bonecas, dentro de um quarto cor-de-rosa, e ele vai querer correr e transformar as bonecas em super-heróis.

Os meninos fazem uma liga entre si, e, como dizia o clube do Bolinha, "menina não entra". É aí que começa a misoginia (aversão às mulheres), que vai ganhar adereços novos ao longo da vida dos meninos. Essa liga é fonte de identidade e de patrulha: quem se comportar "diferente" vai ser chamado de "mulerzinha", "mariquinha". Veja bem: não é de "viadinho". Não, o errado é parecer menina.

Aí também começa uma característica masculina diferenciada: a amizade entre homens. Na caça e na guerra nossos ancestrais depositaram sua sobrevivência nas mãos dos amigos, e isso nos selecionou para amar o amigo e confiar nele. Em termos de fidelidade, ou mesmo de intensidade, amor de amigo é único, forte e silencioso. Exceto quando de pileque: aí seus afetos tornam-se explícitos e sentimentais. Não há correspondente entre mulheres, é coisa de homem mesmo.

Mas só no pileque essa explicitude é perdoada; no resto do tempo, os amigos vivem se patrulhando, e/ou brincando, das possíveis veadagens de seus comportamentos.

Para piorar, ágape, filia e eros (camaradagem, amizade e amor sensual) não têm fronteiras rígidas. E pior ainda: entre um gay absoluto e um hétero absoluto existem cinquenta tons de cinza (ou os seis graus da escala Kinsey). De modo que não é incomum um hétero entrar em crise com sua identidade masculina por ter vislumbrado em si um desejo, um olhar, uma atração "incorreta".

Essa é a hora da ameaça, véspera do ódio. Como um islâmico inseguro de sua fé, que precisa matar os infiéis por isso, o "abalado" sai à caça do seu novo inimigo: está inaugurado o homofóbico perigoso. Ele quer matar fora algo que mora dentro de si: a suspeita de amor "errado", capaz de destruí-lo como o "homem" que ele se concebeu ser.

É quando homofobia retorna ao seu sentido original: medo de iguais. Pois não existem homofóbicos entre héteros absolutos. Eles não estão nem aí...