Folha de S.Paulo

Cervejarias de SC lançam edições para serem consumidas sem pressa


Algumas cervejas são feitas para serem consumidas ainda jovens. Quanto antes abrir, melhor. O tempo pode deteriorar o aroma e influenciar negativamente no sabor. Mas outras nascem com a proposta contrária, com o tempo, podem ficar ainda melhores. É o caso de duas novidades de Santa Catarina, ambas produzidas para celebrar datas especiais.

A catarinense Schornstein parece que chegou ontem, mas já está completando dez anos de mercado com opções interessantes, como a bock ou a premiada IPA. Para celebrar a efeméride, está lançando uma especialíssima belgian dark strong em garrafa de 750 ml, com tampa de rolha. Feita em edição limitada (apenas mil exemplares, numerados), a cerveja tem 10% de teor alcoólico, mas apenas 35 IBU (unidade de amargor que vai até cem).

É uma cerveja escura, bem aromática, mais apropriada aos dias frios —o próprio mestre-cervejeiro Patrick Zanello recomenda que ela seja degustada a 15ºC. Se não conseguir passar por Pomerode, na loja da fábrica, dá para comprar a cerveja no e-commerce, por cerca de R$ 140.

Perto de Pomerode, a Blumenau (de Blumenau) está completando apenas uma primavera. Apesar do pouco tempo, já chamou a atenção ao vencer o prêmio de melhor american IPA no Brussels Beer Challenge, na Bélgica, em 2015, com a Capivara Little IPA. Com o sucesso, fez também a Capivara Double IPA, mais escura e alcoolizada.

Agora, para assoprar a velinha com estilo, lança uma barley wine, batizada de 1850, em homenagem ao ano de fundação da cidade. Com 8% de teor alcoólico, é feita com maltes especiais da Malteria Blumenau.

Se você for dotado de paciência, esperar um ano ou dois pode ser ideal para experimentar tanto a novidade da Schornstein quanto da Blumenau. Mas caso você seja um curioso apressado, como acontece em várias ocasiões com este escriba, cheers.