Folha de S.Paulo

Governo do Rio aumenta tarifa de transporte público e reduz subsídio


O governo do Rio de Janeiro autorizou nesta terça-feira (30), o aumento das tarifas de barcas, trens, ônibus intermunicipais e do bilhete único –o do metrô só será anunciado no segundo trimestre. O pacote mostra que o Estado decidiu reduzir o subsídio dado ao passageiro.

O reajuste da tarifa social –valor que o usuário paga– das barcas e trens foi maior do que a tarifa de equilíbrio –autorizada pela agência reguladora.

Desde o início do ano o Estado paga a diferença entre as duas para reduzir o gasto do passageiro do sistema ferroviário e metroviário. A medida, que já existia no sistema aquaviário há três anos, foi criada após a retomada dos protestos em fevereiro.

A tarifa social dos trens aumentou de R$ 2,90 para R$ 3,20. A tarifa de equilíbrio, autorizada pela Agetransp (agência reguladora do transporte público no Rio), subiu de R$ 3,20 para R$ 3,30. O subsídio a ser pago pelo Estado por passageiro caiu de R$ 0,30 para R$ 0,10. Os novos valores passam a valer a partir de 2 de fevereiro.

Nas barcas, o custo para o usuário subiu de R$ 3,10 para R$ 3,50. Como a tarifa permitida pela agência subiu de R$ 4,80 para R$ 5,00, o governo passará a pagar à concessionária R$ 1,50 por passageiro –antes era R$ 1,70. Os novos valores passam a valer a partir de 12 de fevereiro.

Apenas usuários do bilhete único pagam a tarifa social. As passagens vendidas nos guichês das estações de metrô trens e barcas custam o mesmo valor da tarifa de equilíbrio.

O Detro (Departamento de Transporte Rodoviário) autorizou o aumento em 12,46% das tarifas de ônibus e vans intermunicipais, subindo de R$ 2,80 para R$ 3,15. O valor passa a vigorar no dia 10 de janeiro.

Houve também aumento no valor do Bilhete Único, tarifa paga para que o passageiro use dois transportes públicos no período de três horas. Apesar de poder ser usado em todos os modais, essa tarifa seguiu o maior reajuste, dos ônibus, de 12,46%. Ela passou de R$ 5,25 para R$ 5,90.