Folha de S.Paulo

No Paraná, fuga de presos de penitenciária deixa dois mortos


Uma fuga de presos na Penitenciária Estadual de Piraquara, no Paraná, deixou dois mortos na manhã deste domingo (15).

Um grupo explodiu, pelo lado de fora, um muro da penitenciária, que concentra membros da facção PCC (Primeiro Comando da Capital), segundo agentes penitenciários ouvidos pela Folha.

No mesmo momento, agentes e policiais monitoravam um início de tumulto num presídio ao lado, no mesmo complexo. Segundo a secretaria da Segurança, a ação foi coordenada.

"Trata-se de uma ação orquestrada há muitos dias, preparada", afirmou o secretário da Segurança, Wagner Mesquita.

As explosões ocorreram por volta das 5h30. Na tentativa de fuga, a Polícia Militar reagiu, e dois presos foram mortos numa troca de tiros.

Quatro homens que estavam do lado de fora, ajudando na fuga, ainda fizeram uma mulher refém numa chácara próxima. Eles acabaram se rendendo e foram presos. Com eles, foram apreendidos fuzis, metralhadoras e pistolas. Ao todo, 28 detentos fugiram.

O presídio abriga atualmente 628 presos, mas não está superlotado –a capacidade oficial é de 647 vagas. A situação já estava normalizada no início da tarde, segundo o governo do Paraná.

Na madrugada de sexta (13), 17 presos fugiram da Cadeia Pública de Mata Escura, em Salvador. Até o começo da noite deste domingo, nenhum havia sido recapturado. Também na sexta, mais 21 presos fugiram, de uma delegacia em Santo Antônio de Jesus, a 200 quilômetros da capital baiana. O governo do Estado diz que não houve motim em nenhum dos casos

Por volta das 3h deste domingo, dez detentos fugiram também do Presídio Regional de Ibirité, na região metropolitana de Belo Horizonte. O governo de Minas Gerais diz que não houve motim, nem há mortos ou feridos. Até o começo da noite deste domingo, nenhum tinha sido recapturado.