Folha de S.Paulo

Após 1ª morte por febre amarela, Rio usa escolas para aplicar vacinas


A Secretaria Estadual de Educação afirmou nesta quinta-feira (16) que as 1.250 escolas da rede estadual de ensino do Rio serão usadas como locais de vacinação contra a febre amarela, priorizando o atendimento de alunos e pais.

A medida acontece depois de o Rio registrar a primeira morte por febre amarela silvestre na área rural do município de Casimiro de Abreu, na baixada litorânea. Um homem de 38 anos, morreu por complicações da doença e o outro continua internado no Hospital de Servidores do Estado.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, os pacientes não tinham histórico de viagem para regiões do país onde há circulação de febre amarela –daí a confirmação de que já há transmissão local da doença.

A vacinação nas escolas estaduais começará pelos municípios de Casimiro de Abreu, Silva Jardim, Macaé, Rio das Ostras, Trajano de Moraes, São Pedro da Aldeia, Armação de Búzios e Cabo Frio. Nesse período, as aulas ocorrerão normalmente, sem impacto na rotina das unidades escolares.

A secretaria informou nesta quarta (15) que será antecipada a vacinação em 24 municípios considerados "estratégicos", ou seja, que estão em áreas de maior risco, como nas regiões Norte, Noroeste, Serrana, dos Lagos e no entorno da reserva do Poço das Antas.

A prioridade da campanha será imunizar a população residente ou que trabalha em áreas de mata e zonas rurais.O secretário de Saúde do Rio, Luiz Antônio de Souza Teixeira Jr, recomendou que moradores do Estado que ainda não foram imunizados contra a febre amarela não frequentem áreas de florestas. Segundo ele, é preciso esperar dez dias para que a vacina faça efeito.

A campanha de vacinação começou nesta quinta (16) em Casimiro de Abreu em 12 postos de saúde e 24 escolas municipais, além de unidades volantes. Um hospital de campanha foi montado na praça Feliciano Sodré, para imunizar os moradores. A meta é atingir 40 mil pessoas.

Após reunião com 12 prefeitos em Casimiro de Abreu, Teixeira Jr disse que o Estado vai recebe nesta quinta todas as doses para cobrir 100% da população das 24 cidades que foram definidas como estratégicas, mas que a distribuição será gradativa. Para a primeira etapa da vacinação dos moradores desses municípios, o Ministério da Saúde vai disponibilizar 1 milhão de doses de vacinas.

Os demais municípios, incluindo a capital e a região metropolitana, integrarão as duas fases seguintes, com previsão de início até o fim deste mês, mediante a liberação de novos lotes de doses a serem disponibilizados pelo Ministério da Saúde para o Rio.

Segundo o subsecretário de Vigilância em Saúde, Alexandre Chieppe, que também participou da reunião em Casimiro de Abreu, o Estado registrou 37 notificações de febre amarela, dos quais 19 descartadas e os dois casos confirmados.

A Secretaria de Estado de Saúde informou que recebeu, na última semana, os resultados dos exames das amostras encaminhadas ao Instituto Evandro Chagas, no Pará, em outubro de 2016, referente a macacos encontrados mortos naquela ocasião, em diferentes pontos do município do Rio.

Diante do contexto epidemiológico a ser avaliado e dos resultados, até o momento, inconclusivos, a secretaria disse que aguarda os resultados da análise que está sendo conduzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) no Rio. Esclareceu que, até o momento, não há resultado conclusivo que confirme a morte de primatas por febre amarela no estado.