Folha de S.Paulo

Febre amarela no Rio retoma medo de avanço e urbanização da doença


A confirmação de dois casos de febre amarela silvestre no Estado do Rio de Janeiro voltou a gerar alerta para a ameaça de uma nova expansão do surto no país e risco de reurbanização da doença.

O ritmo de notificação de novos casos de febre amarela vinha caindo nas últimas semanas nos demais Estados atingidos, como Minas Gerais e Espírito Santo –que concentram 93% dos casos suspeitos. Levantamento da Folha a partir de boletins do Ministério da Saúde mostra uma queda de 86% nas novas notificações a cada semana entre janeiro e março deste ano.

Agora, especialistas dizem temer um novo aumento. A preocupação ocorre devido ao alto número de pessoas não vacinadas. Assim como o Espírito Santo, o Rio de Janeiro não fazia parte da área de recomendação para a vacina de febre amarela.

O município onde os dois primeiros casos com transmissão no Rio foram confirmados, Casimiro de Abreu, tampouco estava na lista de cidades que, por fazerem fronteira com Minas Gerais, tiveram vacinação preventiva aplicada desde o início do ano.

Para Antônio Bandeira, coordenador do comitê de arboviroses da Sociedade Brasileira de Infectologia, o cenário chama atenção por haver confirmação de casos em áreas distintas, sem proximidade. Além de Casimiro de Abreu, ele cita as mortes de macacos confirmadas para a febre amarela em Alagoinhas, na Bahia, também fora da fronteira.

Nesta segunda-feira (20), a OMS (Organização Mundial de Saúde) anunciou que irá passar a recomendar a vacina contra a febre amarela para todos os turistas internacionais que viajam para os Estados do Rio e de São Paulo. A exceção vale apenas para quem se dirige para as áreas urbanas das capitais dos dois Estados, além das cidades de Niterói e Campinas.

Neste ano, a OMS já havia incluído o Espírito Santo e 69 municípios do sul e sudoeste da Bahia como áreas onde a vacina é indicada aos turistas. Minas Gerais já fazia parte da área de recomendação da vacina nos últimos anos.

Maurício Nogueira, da Sociedade Brasileira de Virologia, diz ver na confirmação dos casos de febre amarela no Rio uma "crônica anunciada". "É um fenômeno mais ou menos esperado, porque o vírus não respeita a fronteira. Mas que reforça a necessidade urgente de fazer a vacinação." Ele afirma que a situação chama atenção para o risco de reurbanização da doença.

Até agora, todos os casos de febre amarela registrados neste ano são silvestres, transmitidos por mosquitos da área rural (Sabethes e Haemagogus). Casos de febre amarela urbana, vinculados ao Aedes aegypti, não são registrados no Brasil desde 1942.

"O Rio de Janeiro é um ponto crítico, porque tem um histórico [de epidemias] que vem de séculos. Temos a Baixada Fluminense com muito Aedes aegypti e população não vacinada. Se tem população suscetível, tem-se a receita para febre amarela urbana."

Um dos principais estudiosos sobre a doença, o médico epidemiologista Pedro Tauil, da Universidade de Brasília, diz que a confirmação no Rio mostra ser preciso estar em alerta para o risco de casos também em outras regiões.

É a situação, avalia, do sul da Bahia, com mortes de macacos e casos em investigação. "É uma área que está sendo bloqueada [com a vacinação], porque como ocorreu com Rio e Espírito Santo, é possível se estender para essa região. Mas acredito que vai ficar restrito a esses Estados."

AVANÇO DA FEBRE AMARELA - Confirmação de dois casos de febre amarela no RJ gera alerta para nova expansão do surto

AVANÇO DA FEBRE AMARELA - Confirmação de dois casos de febre amarela no RJ gera alerta para nova expansão do surto

Tauil ressalva que, com redução da temperatura e do volume de chuvas, o clima se torna desfavorável aos transmissores da doença. "Em maio, provavelmente não vamos ter mais casos, porque a densidade do mosquito diminui." Até lá, secretarias de saúde tentam ampliar nas áreas de risco a cobertura vacinal –que hoje é próxima de 70% a 75% da população em Minas Gerais e Espírito Santo.

"Tivemos redução significativa de novos casos, mas ainda temos novas notificações nas áreas onde ainda não temos cobertura vacinal de 100%", afirma Rodrigo Said, subsecretário de vigilância de Minas Gerais. No Rio, onde a vacinação se concentrava em 30 municípios, a confirmação dos casos fez com que a área fosse ampliada para 64. A ideia é estender a imunização ao resto do Estado até o fim do ano.

Em 21 das 30 cidades que concentravam a vacinação no Rio, menos de metade da população estava imunizada. Na capital fluminense, testes em amostras de cinco macacos mortos coletadas em outubro de 2016 deram negativo para a febre amarela, conforme resultados divulgados nesta segunda. Com isso, na avaliação da secretaria, não há evidência da circulação do vírus no município.

MAPA DA FEBRE AMARELA NO BRASIL - Casos suspeitos e confirmados de febre amarela, por Estado*

MAPA DA FEBRE AMARELA NO BRASIL - Mortes suspeitas e confirmadas de febre amarela, por Estado*

"O povo não é burro. Sabemos que, se há doente por perto, há chance de transmissão", diz a aposentada Carmen Borges, 69, para explicar a corrida da população do Rio aos postos de saúde para tomar vacina contra febre amarela. Ela própria chegou ao posto Píndaro de Carvalho, na Gávea, na capital, antes das 7h nesta segunda (20).

Desde que dois casos foram confirmados no Estado, na última quarta (15), e uma pessoa morreu, os lugares que oferecem a vacina estão lotados. Os mais precavidos levam comida e cadeira de praia para esperarem sentados. Há quem venha de outras cidades, como Nilza Barbosa, 57. "Vim ao médico no Rio e estou aproveitando para tomar vacina. Estamos todos muito assustados", diz.

Dos 92 municípios do Estado, 64 já têm mobilizações de vacinação. A capital fluminense se juntará a eles no próximo sábado. A expansão da doença era crise anunciada, afirma o presidente da Sociedade Brasileira de Virologia, Maurício Nogueira.

"O Rio é um Estado de risco porque tem muita mata e pouca gente vacinada. A cobertura mínima segura é de 80% da população. Os sinais de alerta vieram em janeiro, quando a febre amarela atacou no Espírito Santo."

Ele acrescenta que o Rio está especialmente vulnerável neste momento, em comparação com São Paulo, devido à crise financeira. "Não se pode esperar uma faixa de bloqueio [vacinação] efetiva quando não paga salários."

Especialistas dizem que onde há floresta há risco. "Os mosquitos que transmitem a febre amarela prescindem de humanos para se alimentar, diferentemente do Aedes aegypti, mas se faltar alimentação ou se o humano estiver dentro da mata, ele pica o humano também", diz o pesquisador da Fiocruz Ricardo Lourenço de Oliveira, que lidera análise de mosquitos encontrados em áreas de febre amarela.

Para ele, há risco considerável de a febre amarela silvestre se tornar urbana se a contaminação próxima a cidades se proliferar. A diferença entre as duas é o mosquito transmissor –na urbana, é o Aedes.

As autoridades municipais e estaduais mantêm o discurso de que não há motivo para pressa pois não há casos confirmados na capital. Recomendam prioridade a quem vai viajar para lugares onde há surto.

A Fiocruz diz que os cinco macacos encontrados mortos em florestas da zona sul e norte da cidade não estavam com febre amarela. Com isso, a secretaria estadual de saúde reafirmou que não há contaminação na capital.

Em todo caso, a prefeitura quer aumentar até sexta-feira o volume de vacinação. O objetivo é fazer cada uma das 34 unidades darem no mínimo 250 doses por dia. Atualmente esse número varia de acordo com a capacidade do posto. A partir de sábado, haverá um mutirão, e a vacinação será ampliada para 233 unidades de saúde.

Na última quinta, a Secretaria Estadual de Educação afirmou que as 1.250 escolas da rede estadual de ensino serão usadas como locais de vacinação, priorizando o atendimento de alunos e pais. A partir desta terça, o Hemorio, na capital, também vai vacinar contra doença. Receberá estoque o bastante para dar 500 doses por dia.

O objetivo das autoridades é imunizar toda a população (com exceção de contra-indicações) até o fim do ano, o que requer 12 milhões de doses. Nos postos, a população reclama de filas e de falta de informação. Esperando havia mais de uma hora, Keisa Oliveira, 21, Antonio Vieira, 28, e a filha do casal, Isabella, 2, ainda não sabiam nem se haveria vacina. Isso porque postos estão controlando a quantidade dada por dia. "Ninguém explica nada, só falam para a gente esperar na fila", diz Oliveira.