Folha de S.Paulo

Eleitos musos da Flip, Lázaro, Luaty e Gontijo revelam segredos de beleza


Jovem, linda, elogiada. Charmosa, provocante, sex symbol. Vestida assim ou assado: o casaquinho insuficiente, o short curtíssimo. A boca vermelha, as pernas bronzeadas. Ela rouba as atenções.

Todos os adjetivos e descrições acima já foram usados em artigos, notas e reportagens para tratar de escritoras que vieram para a Festa Literária Internacional de Paraty apresentar seus trabalhos e debater literatura.

Entre elas, estão a cubana Wendy Guerra, a argentina Pola Oloixarac, a franco-iraniana Lila Azam Zanganeh e a portuguesa Matilde Campilho.

No ano em que a representação feminina é majoritária na Flip, a Folha subverteu essa tradição sexista de destacar os atributos físicos de escritores apenas quando são do sexo feminino e elegeu seus musos: o poeta e tradutor Guilherme Gontijo Flores, o ator e escritor Lázaro Ramos e o rapper e ativista angolano Luaty Beirão.

A eles, a Folha fez perguntas (leia abaixo) em geral dirigidas a mulheres consideradas belas e bem-sucedidas: qual a rotina de beleza, os cuidados com o corpo e a dificuldade em conciliar carreira e filhos.

As respostas, bem-humoradas, foram acompanhadas de um tanto de surpresa. "Nunca ninguém me perguntou uma coisa dessas na vida: o que eu visto, como cuido do cabelo. É o tipo de pergunta em geral dirigida às mulheres. Em Angola é a mesma coisa. Trata-se de um país extremamente machista", disse Beirão.

"É engraçado me ver nessa posição. Não estava acostumado com essa carreira", explicou Flores. "Eu tenho medo de acharem que eu sou apenas um rostinho bonito sem conteúdo. Espero que valorizem também meu trabalho e não apenas o meu corpo", brincou o poeta, para quem esse tipo de inversão tem grande valor provocativo e promove reflexão sobre o tema.

"De fato, a eleição recorrente de musas pode desvalorizar a mulher como ser pensante igualmente importante e igualmente fundamental para a nossa literatura, banalizando-a, porque faz com que sua beleza repercuta mais do que seu trabalho."

O masculino de musa nem sequer existe na língua portuguesa. "Isso é porque não há muso na cultura clássica, só musa. Mas já está na hora de os dicionários reconhecerem essa mudança. Usa-se muso direto", explica Sérgio Rodrigues, colunista da Folha que se dedica ao estudo da origem das palavras.

A curadora atual da festa, Joselia Aguiar, diz ter "pesquisado muito" a história do evento antes de montar sua edição. Fazendo a ressalva de que "era muito natural, todo mundo fazia daquele jeito" –"e nós, jornalistas mulheres, também não falávamos nada"– diz ter notado um padrão na escolha das convidadas do sexo feminino.

"Percebi que mulher, para ser chamada, em geral era muito linda e de uma certa idade. Era mais raro que uma mulher mais velha viesse." Quando acontecia, pondera, era alguém incontornável, como a Nobel bielorrussa Svetlana Aleksiévitch, convidada no ano passado.

Aguiar disse ter ficado com a impressão de que os homens convidados, por outro lado, poderiam ser de qualquer tipo: velhos, novos, carecas, gordos, magros.

"Não sei se desta vez os homens que vieram são mais bonitos que a média. Será que é porque eu sou uma curadora mulher? Teria sido algo muito inconsciente", diz.

O tradutor Guilherme Gontijo Flores, que ensina línguas latinas, explica que a Grécia Antiga sempre celebrou muito a beleza do corpo, tanto masculino como feminino.

"Não podemos fingir que os corpos não importam, porque a gente olha mesmo para eles, e eu não vejo problema nenhum nisso", diz. "A questão é não existir essa cisão sexista em que a mulher é da ordem do corpo e o homem é da ordem da mente. Isso é terrível."

*

ESPELHO, ESPELHO MEU
O que fazem os musos da Flip para se manterem desejáveis

LÁZARO RAMOS, 38, ator

Como você recebe este título?
Estou me sentindo apenas um corpinho bonito [risos].

Algum segredinho para manter o garbo?
Acordo, escovo o dente. Uso creme... de barbear. Perfume também.

E esse porte?
Só faço exercícios quando um personagem exige. Durmo, como e, sempre que posso, bebo com os amigos.

GUILHERME GONTIJO FLORES, 33, tradutor e poeta

Qual é a sua rotina de beleza?
Corto o cabelo regularmente. Aparo a barba mais ou menos regularmente. Uso desodorante [risos].

Como cuida do corpo?
Eu jogo uma pelada toda terça-feira no Gato Negro Futebol Clube.

Consegue conciliar vida profissional e familiar?
Tenho a sorte de trabalhar muito em casa.

LUATY BEIRÃO, 35, rapper

Você malha?
Meu grande exercício matinal é levar minha filha de bicicleta até a escola.

Como mantém esses cabelos brilhantes?
Lavo com sabonete ou com o que estiver à mão, toda noite, porque transpira-se muito em Angola.

E seu estilista favorito, qual é?
Visto umas roupas que tenho desde os 16 anos, tudo amarfanhado. Não passo a ferro.