Folha de S.Paulo

Protesto de caminhoneiros perde força, mas ainda bloqueia rodovias


Os protestos em rodovias do país perderam força desde que começaram, na segunda-feira (9), mas ainda há bloqueios em duas estradas federais nesta quinta (12).

De acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federal), às 16h, havia interdição de estradas federais em dois Estados: Rio Grande do Sul e Tocantins.

Às 9h, havia somente um bloqueio e às 14h eram três.

Nesta quinta ainda não houve registro de interdição nas principais rodovias estaduais atingidas por protestos nos dias anteriores.

Os protestos perderam força depois que o governo federal publicou uma medida provisória que aumenta as multas e sanções para motoristas que obstruírem deliberadamente as rodovias e estradas do país.

Ainda não há registro de multa aplicada por bloqueio de estrada nos protestos desta semana, informou a PRF.

A categoria iniciou a greve nesta segunda (9) após não entrar em acordo com o governo federal em relação às suas reivindicações. A adesão atingiu ao menos 14 Estados do país no primeiro dia e 9 no segundo.

Um dos líderes do CNT (Comando Nacional dos Transportes), movimento que lidera protestos pelo país, Ivar Schmidt, considerou positivo o início da greve.

Ele esperava que o movimento ganhasse mais adesões, mas disse que sua continuação dependia do apoio da população à sua pauta principal, que é a retirada da presidente Dilma Rousseff do governo. No entanto, entre o primeiro e o segundo dia, os protestos perderam fôlego.

Entre as reivindicações secundárias, estão os pedidos de redução do preço do óleo diesel, a criação do frete mínimo (este o governo reconhece que não conseguiu atender), salário unificado em todo o país e a liberação de crédito com juros subsidiados no valor de R$ 50 mil para transportadores autônomos.

O grupo também quer ajuda federal para refinanciamento de dívidas de compra de seus veículos.

O Planalto alega que atendeu a maior parte das reivindicações da categoria que, em abril, fez sua última paralisação do ano.

Para o ministro José Eduardo Cardozo (Justiça), "o movimento teve um claro refluxo". Ele defendeu o direito de manifestação, mas argumentou que "ninguém tem o direito de se manifestar trazendo prejuízo à sociedade", citando como exemplo a distribuição de alimentos e medicamentos pelo país.

Questionado sobre a aprovação de medida provisória que aumentou as multas e sanções a motoristas que participem das interdições, Cardozo se mostrou otimista. "Tenho absoluta convicção de que deputados e senadores vão compreender o que levou o governo a agir dessa forma".

O movimento é "claramente político", disse. "Aí não tem o que negociar."

Atualmente, o Código Nacional de Trânsito prevê uma multa de R$ 1.915 para quem promover nas vias públicas competição, eventos organizados, exibição e demonstração de perícia sem permissão da autoridade de trânsito.

A atual punição será mantida, mas, no caso da obstrução deliberada com o uso veículo, o condutor será enquadrado em uma infração gravíssima e será aplicada uma multa de trânsito de R$ 5.746, podendo dobrar o valor para R$ 11.492 em caso de reincidência.

Na região de Colinas do Tocantins, a BR-153 estava parcialmente bloqueada por volta das 14h, (km 242), informou a PRF. A passagem, que estava liberada para carros e ônibus, por volta das 9h30, foi bloqueada para todos os veículos.

A pista está parcialmente interditada na BR-267, região de Maracaju (km 365) e o trânsito está liberado para carros e ônibus.

No município de Santa Rosa (BR-472), caminhoneiros bloqueia parcialmente a via, permitindo a passagem de carros e ônibus.