Folha de S.Paulo

PF indicia presidente do Bradesco na Operação Zelotes


O Ministério Público Federal no Distrito Federal recebeu nesta terça-feira (31) relatório da Polícia Federal que indicia o presidente do Bradesco, Luiz Trabuco, e outras nove pessoas no âmbito da Operação Zelotes, que investiga a venda de sentenças do Carf (conselho administrativo de recursos fiscais).

A Folha apurou que os investigadores do Ministério Público ainda vão avaliar se pedem novas diligências para complementar o trabalho da Polícia Federal e, só depois, decidirão se apresentam denúncia à Justiça a partir do relatório da PF.

O indiciamento da PF aponta os crimes de corrupção passiva, corrupção ativa, tráfico de influência, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Após a divulgação da notícia, as ações do banco chegaram a cair 5%.

Além de Trabuco, a PF indiciou outros dois executivos do Bradesco: um dos diretores vice-presidentes, Domingos Figueiredo de Abreu, e o diretor gerente e de relações com investidores Luiz Carlos Angelotti. Os demais indiciados seriam ligados ao Carf e ao escritório de consultoria.

A Zelotes suspeita que o banco tenha negociado a contratação de serviços de um escritório que atuava para corromper conselheiros do Carf e livrar ou atenuar multas no órgão.

OUTRO LADO

Em nota, o Bradesco diz que o indiciamento "toma de surpresa" a administração do banco, "considerando que os dois diretores foram ouvidos apenas como testemunhas e o presidente da companhia sequer foi ouvido".

Dois de seus diretores prestaram depoimentos à PF em São Paulo. Eles esclareceram que foram procurados por escritório de assessoria tributária, que se ofereceu para advogar uma questão fiscal junto ao Carf, mas que "desses contatos não se efetivou qualquer proposta, contratação ou pagamento", diz o comunicado.

O Bradesco acrescenta que foi derrotado por 6 votos a 0 no julgamento do Carf e que o processo está submetido à Justiça.

A companhia esclarece ainda que Trabuco não participou de qualquer reunião com o grupo citado. "O mérito do julgamento se refere a ação vencida pelo Bradesco em todas as instâncias da Justiça, em questionamento à cobrança de adicional de PIS/Cofins. Esta ação foi objeto de recurso pela Procuradoria da Fazenda no âmbito do Carf."

O banco irá apresentar seus argumentos juridicamente por meio do seu corpo de advogados.