Folha de S.Paulo

Apoio do governo não se traduz em mais empresas inovadoras


Os dados de inovação no país mostram que aumentou o número de empresas que recebem suporte do governo, mas isso não resultou em mais inovação.

Segundo Fernanda de Negri, diretora de estudos setoriais do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), o percentual de empresas que recebiam apoio do governo para inovação subiu de 19%, em 2000, para 46%, em 2014. Mas o número de inovadoras no setor industrial (o único cuja evolução é acompanhada desde o início da pesquisa) subiu menos, de 31,5% para 36,4%.

"Aprendemos com isso que só política pública não funciona. É preciso ter dinheiro público, em todos os países do mundo se faz isso. Mas talvez nós não tenhamos conseguido gerar condições competitivas para que as empresas sejam levadas a inovar."

Investimentos em pesquisa e desenvolvimento -

Segundo ela, o mercado doméstico protegido contra concorrentes estrangeiros em muitos setores e dificuldades de entrada a novos empreendedores são barreiras que desestimulam a competição e minam a vontade de inovar.

"O ambiente de negócios muito complexo, em que é difícil conseguir licenças para operar, alvarás etc., cria uma série de barreiras à entrada de novos empreendedores, que desestimula a competição."

As políticas desenvolvidas pelo governo também precisam de revisão, como o Inovar-Auto e a Lei de Informática, segundo a especialista. Os incentivos que dão desconto no imposto devido, afirma De Negri, poderiam ser concedidos apenas sobre a parcela adicional de investimento em Pesquisa e Desenvolvimento das empresas.

Taxa de inovação por setor - Número de empresas inovadoras em relação ao total, em %

"Se comparar o Brasil com outros países em desenvolvimento, não gastamos tão pouco assim [em recursos públicos] em inovação."

Levantamento da OCDE com dados de 2013 (mais recentes) mostra que o Brasil aplica o equivalente a cerca de 0,15% do PIB em recursos públicos para financiar ações de inovação no setor privado, mais do que Austrália e até do que a Alemanha.

Isso inclui incentivos fiscais (desconto de impostos) e subvenção para empresas (crédito a fundo perdido). O investimento privado é que é pequeno no Brasil se comparado com outros países, observa De Negri.
Segundo o IBGE, o investimento das empresas (com recursos próprios e públicos) em pesquisa e desenvolvimento foi de 0,61% do PIB em 2014.

Diante da limitação orçamentária do governo, De Negri prevê que os recursos públicos dedicados à inovação devem se escassear, após um período de aumento do suporte público às empresas.

O teto de gastos do governo, que entra em vigor neste ano e fixa um limite de crescimento das despesas, deverá restringir recursos, diz De Negri, imaginando que o setor perca na disputa por verba.

"Não adianta termos investido até razoavelmente e agora não termos dinheiro nenhum para inovação. Tem que ter continuidade", diz.

A série "Marcas da Crise" mostra os impactos provocados pela recessão, talvez a mais profunda da história do país. Alguns dos efeitos podem afetar a capacidade de reação da economia. Veja as outras reportagens da série em folha.com/marcasdacrise