Folha de S.Paulo

Polícia impede travessia de imigrantes no enclave espanhol de Ceuta


O governo da Espanha informou que 1.100 imigrantes africanos tentaram entrar no país tentando cruzar a cerca de fronteira instalada no enclave de Ceuta, no Marrocos.

Dezenas de imigrantes chegaram ao topo da cerca de arame farpado de 6 m nas primeiras horas de 2017.

A maioria dos imigrantes foi devolvida, informou o governo espanhol. Cinco policiais espanhóis e 50 do Marrocos ficaram feridos, após os imigrantes usarem pedras e barras de metal para tentar abrir os portões para acessar a cerca. Duas outras pessoas foram internadas em Ceuta.

Os dois enclaves espanhóis no Marrocos, Ceuta e Melilha, são frequentemente utilizados como pontos de entrada na Europa para os migrantes africanos, que escalam as suas fronteiras ou tentam nadar ao longo da costa.

A Espanha tem criticado grupos de direitos humanos por permitir que alguns imigrantes sejam imediatamente transferidos para o Marrocos em tais incidentes. Eles argumentam que ignorar os procedimentos de deportação mais longos priva as pessoas da oportunidade de pedir asilo.

No início de dezembro de 2016, mais de 400 migrantes africanos conseguiram ultrapassar a cerca fronteiriça de Ceuta.