Folha de S.Paulo

Candidato conservador é acusado de abuso sexual de adolescente nos EUA


Um republicano ultraconservador que concorre a uma vaga no Senado americano pelo Alabama (sul) foi acusado de abusar sexualmente de uma adolescente em 1979, informou nesta quinta (9) o jornal "The Washington Post".

Roy Moore, 70, diz que as acusações são falsas e acusa a publicação de querer minar sua reputação antes da eleição, em 12 de dezembro. Membros do Partido Republicano já pediram sua renúncia se a denúncia for verdadeira.

À publicação, Leigh Corfman, hoje com 53 anos, afirmou que viu Moore pela primeira vez enquanto esperava o fim da audiência em Etowah, no norte do Estado, que definiria sua guarda após a separação de seus pais.

O hoje candidato tinha 32 anos e era assistente do promotor local. Ele foi responsável por cuidar da adolescente de 14 anos no julgamento. De acordo com a denunciante, foi nesta ocasião que Moore a convenceu de ir à casa dele.

Ela disse que foi beijada no primeiro encontro e que, no segundo, ele tirou sua roupa à força e a fez tocar em seu pênis enquanto ele estava só de cueca. "Nunca tinha colocado as mãos no pênis de um homem", afirma a entrevistada.

Corfman não denunciou o caso à polícia. Assim como hoje, as leis do Alabama determinam o limite mínimo de 16 anos para o consentimento sexual, de modo que seria crime. O delito, porém, prescreveria após o prazo de três anos.

Além dela, outras três mulheres acusam o candidato de tê-las seduzido quando eram adolescentes entre 16 e 18 anos —nenhuma delas afirma ter sido vítima de violência sexual ou forçadas a terem relações com Moore.

O republicano se casou cinco anos depois e está desde então com a mesma mulher, com quem teve quatro filhos. No mesmo período, ascendeu até se tornar presidente da Suprema Corte do Alabama, quando se tornou conhecido.

Suas principais medidas foram impedir a retirada de uma estátua dos Dez Mandamentos da Bíblia da frente da sede do tribunal máximo do Estado e retardar a aprovação da união civil e do casamento homossexual nos últimos anos.

A campanha chamou a reportagem de lixo e "uma perfeita definição de notícias falsas e difamação intencional". "Não é surpresa, em uma corrida eleitoral com efeitos nacionais, que o Partido Democrata e o jornal mais liberal do país façam uma armação como essa."

Depois da publicação do texto, republicanos moderados, como os senadores Mitch McConnell e John McCain, pediram a renúncia de Moore. O presidente Donald Trump não havia se manifestado até a publicação deste texto.