Folha de S.Paulo

Censura ao anonimato na internet?


A suspensão de conteúdo falso ou ofensivo pelos provedores de internet levanta um tema interessante, que se perdeu nos debates que levaram ao seu veto no projeto de reforma eleitoral.

Determinava-se aos provedores a suspensão do conteúdo denunciado pelo ofendido para que aqueles pudessem se certificar da "identificação pessoal" do usuário.

O alvo, portanto, não era propriamente coibir o conteúdo, mas lidar com o anonimato e os chamados "perfis falsos", um desafio novo e ainda não bem resolvido no quadro normativo vigente.

Com alusões a fantasmas do passado, tal proposta foi apontada como exemplo de "censura prévia", que é expressamente proibida pelo art. 5º, inciso IX, da Constituição Federal de 1988. Porém, a mesma Carta prevê ser "livre a manifestação do pensamento, vedado o anonimato" (art. 5º, inciso IV).

No passado, "censura" significava controle prévio sobre o conteúdo produzido por uma mídia centralizada, a partir de um discurso oficial.

Mas, na internet, a produção de conteúdo tem como fonte os próprios usuários, sua divulgação é instantânea e se dá em ambiente virtual, sem fronteiras nacionais. Portanto, não é fácil entender o que significa, hoje, "censura prévia", e seria superficial equiparar esse conceito à simples retirada ou suspensão de conteúdo na internet.

O mesmo vale para "anonimato". O pressuposto, aqui, é a existência de apenas uma identidade real, física, que se oculta. Em ambiente centralizado, sua vedação era traduzida pela obrigação das empresas de mídia em identificar o autor do conteúdo.

Mas, em espaço cuja arquitetura, descentralizada, foi desenhada para permitir o fluxo de informações, independentemente de quem comunica, tal obrigação perde o sentido prático.

Mais do que isso, a internet acabou permitindo novas dimensões de construção de identidades e desenvolvimento da personalidade, baseadas em comunicações anônimas ou por perfis.

O perfil, no ambiente virtual, tem uma dimensão de "realidade" inconcebível em 1988, e não é perfeitamente traduzido pelo conceito de pseudônimo, algo fictício em relação à identidade física, pressuposta como única real. É exatamente por ser virtualmente real que o "perfil falso" é nocivo.

Portanto, o verdadeiro fantasma está em pensar a censura e o anonimato na internet a partir de conceitos fixados no passado, próprios para outras mídias.

O anonimato, mormente aquele que se constrói por perfis na internet é, na verdade, um direito de qualquer indivíduo em suas comunicações. O dever de identificação é, ao pé da letra da Constituição, apenas condição para o exercício da liberdade de expressão e aparece somente quando uma manifestação pública de opinião puder causar danos a terceiros.

Passado o calor da discussão, é importante lidar com o desafio dos perfis falsos, "fake news" e "hate speech" (discurso de ódio) sem dogmatismo.

Uma vez admitido que tais conteúdos têm potencial lesivo à personalidade individual e à própria democracia, como mostraram recentes campanhas de desinformação em período eleitoral, é crucial encontrar o equilíbrio entre o controle do conteúdo lesivo ou identificação para responsabilização por abusos e as garantias de liberdade de expressão e de privacidade.

O tema merece reflexão, mesmo quando nos opomos veementemente à censura.

JULIANO MARANHÃO é professor da Faculdade de Direito da USP e pesquisador da Fundação Alexander von Humboldt

Para colaborar, basta enviar e-mail para debates@grupofolha.com.br

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.