Folha de S.Paulo

Pezão diz que PT não fará parte do governo no Rio


O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), afirmou nesta segunda-feira (15) que o PT não terá representantes nas secretarias do Estado. Ele começa a anunciar na terça-feira (16) o seu secretariado.

Aliado da presidente Dilma Rousseff, o peemedebista afirmou que petistas não estarão em seu governo por não terem apoiado sua reeleição desde o primeiro turno. O PSDB, por sua vez, deve obter uma pasta.

"O PT não participou da minha aliança. Tenho a melhor convivência com a bancada do PT. Tive o apoio de cinco deputados estaduais no segundo turno. Vou recebê-los e procurar formas de conversar. Mas no primeiro momento vai participar do governo quem estava na aliança no primeiro turno. Já ofereci, vamos ver se eles querem", disse Pezão, após sua diplomação como governador.

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) foi o candidato ao governo do Rio pela sigla. Em razão da candidatura, parte do PMDB do Rio apoiou o senador Aécio Neves (PSDB) na disputa presidencial. Pezão, contudo, manteve apoio a Dilma.

Derrotado no primeiro turno, Lindbergh apoiou o senador Marcelo Crivella (PRB). Mas a maioria dos deputados estaduais e federais do PT defendeu a reeleição de Pezão.

O governador afirmou que primeiro irá comunicar os atuais ocupantes das pastas de que haverá substituição. Já está confirmada a permanência do secretário José Mariano Beltrame (Segurança).

"Vou começar com quem está nas pastas. Comunicar que vai haver substituição. Quero primeiro comunicar a eles e depois comunicar a vocês."

O peemedebista indicou também que deverá reforçar o contingente das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) após a nomeação do coronel Antônio Pinheiro Neto como comandante da Polícia Militar. Ele assume em janeiro.

"A partir de janeiro, com a posse do comandante Pinheiro Neto, vamos tomar uma série de medidas. Vai ter fortalecimento no Alemão, na Rocinha. Vamos botar mais gente nas UPPs", afirmou o peemedebista.