Folha de S.Paulo

Acompanhe a repercussão do pedido de impeachment de Dilma


No início de dezembro, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, aceitou o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, fazendo com que ele passasse a tramitar no Congresso.

A representação é assinada pelos advogados Hélio Bicudo (ex-petista), Miguel Reale Júnior e Janaína Paschoal, e apoiada por movimentos que pedem a saída da presidente petista.

A força do pedido, no entanto, é questionada por especialistas que acreditam que irregularidades fiscais não são o suficiente para expulsar um presidente do poder. Além disso, Cunha, que é investigado em três inquéritos, deu início à tramitação do impeachment em ato de retaliação ao PT e ao governo.

A indefinição se estende ao Congresso. Pesquisa Datafolha feita com deputados federais mostrou que nenhum dos dois lados –pró-Dilma e anti-Dilma– têm, por enquanto, os votos suficientes para sair vencedor.

Para repercutir o tema, a Folha procurou ouvir pessoas de relevância em diversas áreas. São advogados, economistas, estudiosos, escritores, músicos, atores, chefs, empresários, juízes e celebridades.

As personalidades dizem se são favoráveis ou contrárias ao impeachment da presidente Dilma Rousseff e explicam por quê. Confira: