Folha de S.Paulo

Folha desafia 9 poetas a escreverem usando palavras de uma notícia; veja


O desafio consistia em pinçar palavras de um texto da Folha e criar, com elas, um poema. Não foi permitido acrescentar nenhuma palavra nova.

A notícia escolhida é um excerto da reportagem que foi manchete da edição de 17 de fevereiro, reproduzido abaixo. Não foi delimitado tamanho nem havia restrição de forma.

Leia abaixo nove "poemas noticiosos". Quem se sentir inspirado pode tentar fazer o seu e enviar para leitor@grupofolha.com.br.

Excerto da notícia original:

*

Frederico Barbosa, 55
Nascido no Recife, é crítico literário e professor de redação. Ganhou o Prêmio Jabuti com seu segundo livro, "Nada Feito Nada" (Ed. Perspectiva), e pela coautoria de "Brasibraseiro" (Ed. Landy). Atualmente, é diretor do centro cultural Casa das Rosas.

Seleção de palavras de Frederico Barbosa:

Poema feito com a seleção:

*

Marília Garcia, 36
É tradutora, escritora e coeditora da revista "Modo de Usar & Co". Seu último livro, "Um Teste de Resistores" (Ed. 7Letras), foi finalista do prêmio Oceanos de Literatura em Língua Portuguesa em 2015.

Poema:

*

Chacal, 64
Com uma poesia marcada pela irreverência, Ricardo de Carvalho Duarte, o Chacal, é um dos expoentes do grupo que ficou conhecido como Geração Mimeógrafo, ou da Poesia Marginal, que marcou a literatura brasileira da década de 1970.

Poema:

*

Carlos Rennó, 60
É jornalista, escritor e letrista. Ao longo da carreira, teve canções gravadas por Tetê Espíndola, Gal Gosta e Lenine. Seu último livro, "O Voo das Palavras Cantadas" (Ed. Dash), analisa a produção de artistas renomados da MPB.

Poema:

*

Armando Freitas Filho, 76
Com mais de 50 anos de carreira, suas poesias abordam os mais variados temas, influenciadas pelo modernismo. Venceu o Jabuti em 1986, com a obra "3x4", e em 2013 recebeu o prêmio Alphonsus de Guimaraens, da Biblioteca Nacional.

Poema:

ONOMÁSTICO

Gutierrez faz parte do grupo.
João de Deus, que teve aval
de Azevedo, principal executivo
ficou preso numa antena
para ilações absurdas.

*

Nelson Ascher, 58
Destaque da poesia, do jornalismo cultural e da crítica literária nacional desde a década de 70, Ascher nasceu em São Paulo, de pais judeus que emigraram da Hungria. Foi colunista da Folha e editor do suplemento "Folhetim" (1977-1989).

Poema:

*

Ferreira Gullar, 85
Membro da Academia Brasileira de Letras e colunista da Folha, chegou a ser indicado ao Nobel de Literatura em 2002. Seu "Poema Sujo", escrito no exílio na Argentina em 1975, é considerado um marco na literatura nacional.

O poeta Ferreira Gullar pediu licença da proposta original para oferecer um poema livre –e, segundo ele, "brincalhão"– sobre o tema da notícia.

Poema:

*

Sérgio Alcides
Doutor em História Social, é professor-adjunto na Faculdade de Letras da UFMG e tem extensa pesquisa em literatura, com ênfase em poesia. Tem passagem pelo jornal "O Globo" e publicou dois livros de poemas, além de atuar como tradutor.

Poema:

Em referência a uma antena

Oi, controladoras.
Um "presente" - um segundo? meses? - são ilações absurdas.
Os cálculos, as licenças, as gestões,
O que teve e o que não teve aval de Otávio,
é como a corrupção no interior de um deus
conduzido preso pelos engenheiros
por não conseguir a instalação
de telecomunicações.
O principal é não participar da empresa,
da lavagem celular, do esquema responsável,
da folha de acusações, da ex-família.
Comentários? É a zunga-zunga de um milhão de pessoas
que indicam o réu.
Ele não é funcionário do grupo,
não tem amigo executivo,
não tem cerca de pinheiro no sítio...
Sua antena é colocada
entre o então e o quase.
Ele tem frequentado a lima,
ele tem investigado
a lula interna e os equipamentos reais do instituto.
Não tem dinheiro, não fez pedido.
Sua obra
- o que ele disse
e silva - parte a jato
para a próxima.

*

Ivan Miziara
É médico e professor de medicina na USP, faculdade onde se graduou e se tornou livre-docente. Até janeiro, ocupava o posto de diretor do Instituto Médico Legal (IML). Também tem carreira consolidada na poesia, tendo lançado seu sétimo livro em 2015.

Poema:

POR UMA ANTENA (ou o poema de uma des-notícia, para ler em voz alta)
"Vem da sala de linotipos a doce música mecânica" - Carlos Drummond de Andrade

- 1 -
O ex-presidente não usa celular.
Absurdas ilações entre antena
Família, sítio em Atibaia.
Por meio da assessoria, não tem
Comentários em referência
A Oi (a Folha apurou).
 
A lavagem da Lava Jato não tem
Instalação com José de Deus
Otávio Macedo, João Pinheiro.
Não tem favorecimento de João ao Otávio,
de Marques ao Andrade, de Gutierrez ao Azevedo.
(a Folha apurou)
 
Não tem
Operação com Petrobrás, corrupção,
Gestões internas, sítio em Atibaia
por  ex-presidente  frequentado, não tem
Antena, obra, família, instalação.
(a Folha apurou)
 
Não tem
Principal executivo, acusação, equipamentos, controladoras da Oi. Não tem
Operação, acusação, cálculos de engenheiros
R$ 1 milhão de dinheiro
presente ao diretor de então.
(a Folha apurou)
 
Tem não:
Amigo Zunga (ex-sindicalista), favorecimento da Oi
e corrupção.  Não tem: por meio
Da assessoria, Andrade é réu da família
Da Silva de absurdas ilações.
(a Folha apurou)
 
O ex-presidente não usa uma antena. O amigo
Zunga foi um presente de Deus
Da Petrobras em 2010 ao Lula.
Funcionário e diretor, o ex-presidente
Alves de Lima não usa celular
(segundo a Folha apurou).

               - 2 -
A antena do sítio da Oi
Foi um presente de Deus
Ao amigo das ilações absurdas
Entre Joâo, Andrade e a Petrobrás.
Não foi um favorecimento
De R$ 1 milhão a lavagem
Da Lava Jato por engenheiros
Do grupo, principal executivo
De telecomunicações petista.
 
Segundo a Folha apurou
O ex-presidente Zunga
Não usa celular e não tem
Comentários em referência
Por meio de assessoria
Sob acusação de corrupção e
Dinheiro de lavagem
Ao sítio da família.
O ex-sindicalista não usa celular
Da AG Telecom, em Atibaia
No interior de São Paulo.
(segundo a Folha apurou).
 
                  - 3 -
A antena do Instituto Lula
Em Atibaia
Não tem celular.
Não tem comentários, acusações
Cálculos de engenheiros
Aval de investigado
Não tem obra próxima no sítio da Oi
Por ex-presidente frequentado.
 
A antena do Instituto Lula
No sítio da Oi
Não tem operação, instalação
Corrupção
Em São Paulo
No interior
Das ilações absurdas.
 
A antena do Instituto Lula
Não tem equipamentos
Licenças, taxas
Presidente de telecomunicações
Favorecimento de R$ 1 milhão.
 
A antena do Instituto Lula
Não tem Marques de Azevedo
Lavagem de dinheiro
Assessoria, família
Réu sob acusação.
 
A antena do Instituto Lula
A Folha apurou
Não tem Petrobrás
Comentários e Lava Jato.
O executivo do grupo
Zunga Alves de Lima
E o ex-sindicalista Lula da Silva
Por quase oito meses
Não usa celular
 
Em antena próxima ao sítio frequentado por ele e sua família
Em 2010
(Segundo a Folha apurou).