Folha de S.Paulo

Cobertura da 'TV Folha' de protestos de 2013 renovou telejornalismo


Ex-editor da "TV Folha" e hoje repórter especial, o documentarista João Wainer conta bastidores da cobertura dos protestos de junho de 2013, quando centenas de milhares de pessoas foram às ruas.

*

Quando o MPL (Movimento Passe Livre) marcou o primeiro protesto contra a alta das tarifas de transporte em SP, eu não fazia ideia da proporção que aquilo tomaria. Tive uma noção melhor no terceiro protesto, quando os "black blocs" apareceram mais, o que desencadeou uma gritaria contra as mobilizações. No protesto seguinte, a polícia desceria a porrada nos manifestantes.

Nossa cobertura se destacou por introduzir elementos do cinema e do documentário no telejornalismo. Foi a ideia que seguimos desde a criação da "TV Folha" em 2011: vídeos feitos com ironia, humor, fotografia sofisticada, trilha sonora sugestiva -diferente do telejornalismo tradicional, muito didático.

Nossa atuação acabou influenciando o próprio curso dos acontecimentos, quando Giuliana [Vallone, então repórter da 'TV Folha'] foi atingida no olho por uma bala de borracha. A cena marcou uma virada na opinião pública sobre as manifestações, e Giuliana virou um símbolo contra a violência policial.

Os vídeos sobre os protestos de junho foram o primeiro trabalho de um jornal a ganhar o Prêmio Esso (hoje chamado ExxonMobil) de Melhor Contribuição ao Telejornalismo, normalmente reservado às grandes emissoras de TV.

O conteúdo originou um documentário: "Junho - O Mês que Abalou o Brasil", que estreou, um ano depois, em 14 salas de cinema de 12 capitais e na loja virtual iTunes.