Folha de S.Paulo

No impresso, internet e celular, Folha é jornal de maior alcance do país


A audiência da Folha é de 20,2 milhões de brasileiros, na média mensal. É o jornal de maior alcance no país, segundo a Métrica Única de Audiência, lançada há quatro meses pela ANJ (Associação Nacional de Jornais).

É o número dos que consomem o conteúdo por meio de aparelhos móveis, internet e versão impressa, descontadas as sobreposições. É equivalente a um quinto dos usuários de internet no país e a um décimo da população do Brasil.

Antonio Manuel Teixeira Mendes, diretor-superintendente do Grupo Folha, destaca a abrangência geográfica alcançada. "É uma audiência nacional. E há espaço para crescer ainda mais, à medida que você vai colocando a marca em outras regiões, criando outros públicos."

De um lado, prossegue, "você deixa de pensar o jornal regionalmente". De outro, "essa abrangência é importante do ponto de vista publicitário, porque os anunciantes ficam em contato com uma população enorme, em todas as regiões".

Entre os jornais de qualidade, a Folha tem audiência 41% maior que a do carioca "O Globo", que atinge 14,3 milhões, e 91% maior que a de "O Estado de S. Paulo", com 10,6 milhões. Também supera os veículos das categorias popular e esportiva.

Audiência Jornais

A nova metodologia, apresentada em outubro no evento de comunicação e marketing Maximídia, reúne dados do Estudo Geral de Meios, pesquisa feita pelo Ipsos a partir de entrevistas; do Media Metrix, pesquisa da comScore com usuários de computador; e do IVC (Instituto Verificador de Comunicação), que audita circulação de jornais impressos e digitais.

No lançamento, o superintendente de marketing do Itaú Unibanco, Eduardo Tracanella, afirmou que "o jeito de consumir notícias mudou, e precisamos acompanhar". Segundo ele, "a Métrica Única vem ao encontro dessa necessidade" e "é um grande avanço para a relação entre jornais e anunciantes".

Andrew Green, diretor mundial de Medição de Audiência do Ipsos, disse que "a necessidade de medir a leitura através de múltiplas plataformas se tornou urgente" e essa integração de dados já foi adotada pelo setor de jornais em cerca de 20 países, como EUA e Espanha.

Para Gustavo Reis, gerente de marketing da Tecnisa e professor da ESPM e do Insper, a nova metodologia é "um sinal de maturidade" dos jornais, que reconhecem que seus leitores se distribuem por diversas plataformas, além de útil para os anunciantes, que aprofundam o conhecimento do público que buscam atingir.

Reis sublinhou que a audiência da Folha na Métrica Única, de 20,2 milhões, é equivalente à de "algumas emissoras de televisão" no país. Com tal magnitude, atrai anunciantes de produtos de alcance geral, a exemplo do que ocorre com a TV.

A Folha se mantém à frente também em métricas anteriores, como circulação. Entre os jornais de qualidade, fechou o mês de janeiro com uma média diária total (impresso e digital) de 308,6 mil exemplares, seguida por "O Globo", com 291,7 mil, e "O Estado", com 207,3 mil.

O tabloide mineiro "Super Notícia", popular mais vendido no país, registrou 274,6 mil exemplares diários, em média. O jornal carioca "Extra", também considerado popular, 132,6 mil. Todos os dados são do IVC.

Vista separadamente, a circulação digital da Folha é de 139,1 mil exemplares diários, seguida entre os jornais de qualidade por "O Globo", com 116 mil, "O Estado", com 68,1 mil, e o gaúcho "Zero Hora", com 47,1 mil.

Segundo a Adobe Analytics, o número de "page views" (impressões, no jargão do setor, ou visualizações) vem crescendo ano após ano na Folha, saindo de 146,7 milhões em dezembro de 2010 para 305,4 milhões em dezembro de 2015.

Foi em 16 de dezembro passado, uma quarta-feira, que o site do jornal postou a sua notícia mais lida: "Justiça determina bloqueio do WhatsApp em todo o Brasil por 48 horas", que somou 5,8 milhões de visitas em dez dias.