Folha de S.Paulo

Maluf continua na lista de procurados da Interpol, diz procuradoria de NY


A ordem internacional de prisão contra o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) continua válida, segundo comunicado feito pela procuradoria de Nova York para o Ministério Público de São Paulo e a prefeitura da cidade. A única mudança que ocorreu foi que as fotos de Maluf e de seu filho, Flávio Maluf, saíram do site da Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal), ainda de acordo com a procuradoria de Nova York.

"Não é verdade que Maluf saiu da lista da Interpol. O processo e a ordem de prisão contra ele não foram revogadas", afirma o promotor Silvio Marques, um dos que receberam o comunicado de Nova York.

A retirada das fotos foi feita pela Interpol a partir de dois critérios: gravidade do crime praticado e interesse público. Com o crescimento do terrorismo nos últimos anos, Maluf se tornara uma figura menor no cenário internacional, segundo interpretação de um delegado da Polícia Federal que já trabalhou na Interpol.

DINHEIRO DESVIADO

Maluf está na lista da Interpol desde março de 2010. Dois anos antes ele fez sua última viagem internacional. O deputado foi incluído no sistema de alerta vermelho pela Procuradoria de Nova York, com ordem de prisão válida para 181 países, porque parte do dinheiro desviado na abertura da avenida Água Espraiada, atual Roberto Marinho, passou por um banco de Nova York antes de chegar em Jersey, um paraíso fiscal no canal da Mancha, ao lado da Inglaterra.

O desvio total das obras, orçadas em R$ 800 milhões, chegou a R$ 550 milhões, segundo dados da Procuradoria Geral da República que estão na ação contra o deputado que tramita no Supremo Tribunal Federal. A obra foi executada quando Maluf era prefeito de São Paulo pela segunda vez, entre 1993 e 1996, pelas empreiteiras OAS e Mendes Junior.

A Prefeitura de São Paulo conseguiu recuperar em 2013 cerca de 1,8 milhão de libras esterlinas que estavam depositadas em Jersey. O valor corresponde hoje a R$ 8,9 milhões. A prefeitura busca repatriar mais US$ 28 milhões (R$ 97,5 milhões atualmente) que estão em Jersey, em forma de ações da Eucatex, empresa da qual Maluf é sócio.

O montante foi recuperado pela prefeitura porque Maluf perdeu um processo judicial em Jersey para a prefeitura. Ele alega que não tem conta no exterior, apesar de a sentença de Jersey afirmar que ele controla as empresas que são donas dos recursos.

FORA DA LISTA

A informação de que Maluf saíra da lista da Interpol foi publicada na última terça-feira (12) pelo blog do jornalista Fernando Rodrigues. Maluf disse o seguinte na ocasião: "Estou fora do mensalão, fora do petrolão, fora da Lava Jato, não estou no Panama Papers e votei a favor do impeachment. Agora, saí da lista vermelha da Interpol. Só falta o papa Francisco me canonizar''.

A reportagem do blog fazia a ressalva de que a ordem de prisão poderia continuar válida, em uma lista que não era pública.

A promotoria de Nova York foi informada da versão relatada por Maluf e estuda se tomará alguma providência contra o deputado por ele ter difundido uma versão que a instituição classifica como falsa.

Procurada pela Folha, a assessoria de Maluf afirmou que ele não comentaria a questão. O deputado sempre repete que não tem e nunca teve conta no exterior.

A Interpol no Brasil, representada pela PF, não quis se pronunciar.