Folha de S.Paulo

Base aliada de Temer é maioria na lista de Fachin; PT é o mais citado


Os partidos da base aliada do governo Michel Temer congregam 65% dos nomes que tiveram a abertura de inquérito autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin nesta terça-feira (11).

São 14 os partidos da base que aparecem na lista –PMDB (16 filiados investigados), PSDB (13), PP (9), DEM (5), PSD (6), PSB (4), PR (4), PRB (3), PTC (1), SD (1), PPS (1) PMN (1), PTdoB (1) e PTB (1).

No entanto, o PT, principal partido de oposição, é o grupo com maior número de políticos investigados –são 20 no total. Da oposição, aparece também o PCdoB, com outros três nomes envolvidos.

LISTA DE FACHIN - Quantidade de políticos, por partido, com investigação autorizada pelo STF

Entre os 24 senadores citados na lista do ministro do STF, a maior parte é filiada ao PMDB (7), ao PSDB (6) e ao PT (4). Já entre os deputados federais, os partidos mais citados são: PT (11), PP (5) e DEM (4).

Entretanto, a maioria dos políticos citados que fazem parte da base aliada hoje também estiveram ao lado dos governos petistas nas legislaturas anteriores.

Dos ministros, três são filiados ao PMDB (Eliseu Padilha, Helder Barbalho e Moreira Franco), e dois, ao PSDB (Aloysio Nunes e Bruno Araújo).

Constam, entre os políticos investigados, caciques de partidos como o ministro Gilberto Kassab (PSD), os senadores Fernando Collor (PTC), Aécio Neves e José Serra (ambos do PSDB), Romero Jucá e Renan Calheiros (PMDB) –eles negam envolvimento em irregularidades.

A maior parte dos investigados vem de São Paulo (17), Bahia (12) e Rio de Janeiro (8) –entre os deputados federais, dez são de SP, dez, da BA, e quatro, do RS.