Folha de S.Paulo

Padilha fez apelo final por Segóvia após R$ 51 mi de Geddel


O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, foi um dos principais fiadores da indicação do novo diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia.

Segundo apuração da Folha, o chefe da Casa Civil –e um dos aliados mais próximos do presidente Michel Temer– fez seu mais forte apelo para a escolha de Segóvia nas horas seguinte à Operação Tesouro Perdido, que encontrou cerca de R$ 51 milhões em um apartamento na Bahia atribuídos ao ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB).

Interlocutores de Padilha afirmam que o ministro argumentava que era a hora de mudar o perfil da PF, comandada há quase sete anos por Leandro Daiello, e encarou o episódio que ligava a fortuna a Geddel como uma espécie de gota d'água.

Na cúpula da Polícia, as articulações de Padilha foram compreendidas como se ele estivesse com receio de onde as investigações poderiam chegar. Há dois inquéritos sobre o ministro em andamento no Supremo.

Depois do episódio, a PF incluiu no caso chamado "quadrilhão do PMDB", além de Temer e Geddel, Padilha, Moreira Franco (Secretaria-Geral) e os ex-presidentes da Câmara Henrique Eduardo Alves e Eduardo Cunha.

A pressão do ministro da Casa Civil em prol de Segóvia irritou o ministro da Justiça, Torquato Jardim, que inicialmente defendia o nome de Rogério Galloro -número dois da PF- para o cargo de Daiello.

O dinheiro do ex-ministro de Temer foi encontrado em 5 de setembro. Dois dias depois, Torquato anunciou que trocaria o chefe da PF, mas mudou os planos.

Nos bastidores, o ministro da Justiça explicou que seu recuo se devia à grande especulação para nomear Segóvia e acertou a permanência de Daiello para que isso não ocorresse.

Segundo auxiliares de Temer, porém, o presidente havia decidido por Segóvia após ter sido aconselhado por diversos aliados políticos que esperavam uma mudança de perfil da PF no comando das investigações.

De acordo com esses interlocutores, Temer esperava o momento certo, de desgaste de Torquato, para fazer o anúncio.

Segóvia foi superintendente da PF no Maranhão e é ligado ao ex-presidente José Sarney, que também apelou junto a Temer por sua nomeação.

Procurado pela reportagem, Padilha afirmou, por meio de nota, que a indicação do diretor-geral da PF é atribuição "exclusiva" do ministro da Justiça, Torquato Jardim, e que não "indicou nenhum delegado para exercício de tal cargo".

Jardim, por sua vez, afirmou que não fez qualquer indicação.