• As Mais

    Tuesday, 24-Oct-2017 09:27:40 BRST

    Veja 10 dicas para deixar a umidade (e o mofo) fora de casa

    DE SÃO PAULO

    31/01/2015 10h00

    Fungos, mofos, paredes estufadas e manchas. A umidade é um problema comum em casas e apartamentos e, além de deixar o ambiente com uma aparência desagradável, traz prejuízos à saúde dos moradores, como dores de cabeça e crises alérgicas.

    "Entre outros fatores, superfícies porosas tendem a apresentar umidade e favorecer esse tipo de problema, que nem sempre é visível a olho nu", explica Felipe Comelatto, técnico em produtos da empresa Futura Tintas.

    Confira dez dicas para evitar umidade no imóvel.

    1. MANUTENÇÃO DAS CALHAS: grande parte dos casos de umidade, principalmente em áreas externas de casas, acontece por calhas que transbordam. Confira periodicamente se os dutos estão livres de sujeiras e permitem a passagem da água com facilidade.

    2. DE OLHO NAS TELHAS: telhas quebradas geram vazamentos para laje e forros que, além da umidade, podem afetar a parte elétrica da casa. É importante verificar a situação do telhado, mas lembre-se: nunca mexa nelas quando estiverem úmidas, pois o risco de quebrá-las é ainda maior.

    3. AMBIENTES AREJADOS: abrir portas, janelas e armários é importante para propiciar a circulação de ar, evitando a formação de focos de mofo e umidade.

    International biodeterioration and Biodegradation
    Cultura de fungos responsável pelo mofo, que prolifera em ambientes úmidos, como paredes e armários
    Cultura de fungos responsável pelo mofo, que prolifera em ambientes úmidos, como paredes e armários

    4. SECANDO A ROUPA: se for necessário secar a roupa dentro de casa (principalmente no caso de apartamentos), escolha o cômodo mais fresco, de preferência que tenha uma janela perto.

    5. EXAUSTORES: exaustores nos banheiros e na cozinha ajudam a melhorar a ventilação nessas áreas molhadas.

    6. CARVÃO COMO ALIADO: se possível, coloque pequenos pedaços de carvão nos cômodos da casa que são utilizados apenas como pequenos depósitos, porque o mineral ajuda a absorver a umidade.

    7. PAREDES TEXTURIZADAS: uma alternativa é utilizar texturas que, além de protegerem as paredes, conferem um acabamento decorativo. As texturas ajudam a proteger a superfície porque sua fórmula apresenta hidrorrepelência, que impede que líquidos penetrem na parede. No caso das infiltrações, o uso de impermeabilizantes na superfície também pode ajudar.

    8. EM TEMPOS DE CALOR: não se esqueça da manutenção de aparelhos de refrigeração, como ventiladores, climatizadores e ares-condicionados.

    Climatizador
    Ele aumenta a umidade do ambiente, o que pode ser desvantajoso, porque se ela chegar a 60% ou 70% pode estimular o crescimento de ácaros.

    Ar-condicionado
    Como ele não umidifica o ambiente, ajuda a controlar a presença de ácaros. Alguns modelos tratam o ar, agindo sobre os microrganismos (bactérias, fungos e vírus) não somente do ambiente, como também eliminando a maioria destes que passam por seus filtros. A manutenção e limpeza do aparelho, através da lavagem do filtro, é relativamente fácil, embora requeira, periodicamente, uma limpeza profissional mais profunda.

    Ventilador
    Necessita de limpeza periódica das pás, com separação das peças, para não espalhar poeira.

    Divulgação
    Imagem maximizada de ácaros, retirada do livro "A Magia da Realidade", de Richard Dawkins
    Imagem maximizada de ácaros, retirada do livro "A Magia da Realidade", de Richard Dawkins

    9. ROUPA DE CAMA: em um travesseiro de dois anos, cerca de 20% de seu peso é formado por ácaros vivos, ácaros mortos e fezes de ácaros. Por isso, devem ser trocados. O colchão deve ser substituído a cada sete anos. Tanto para travesseiros como para colchões, use protetores impermeáveis internamente e de algodão externamente. Roupas de cama devem ser trocadas a cada três a quatro dias. Importante: não arrume a cama logo ao acordar, aguarde por pelo menos uma hora para secar o suor e evitar a presença de ácaros.

    10. SE A UMIDADE APARECER: a primeira atitude a ser tomada deve ser a retirada das partes mofadas. Para isso, utilize uma solução de água potável com água sanitária, na mesma proporção. É muito importante limpar bem o local afetado e, principalmente, todos os focos de mofo para que o fungo não retorne.

    Fontes: Felipe Comelatto e Microbiotécnica

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017