• As Mais

    Monday, 23-Oct-2017 09:31:19 BRST

    'Água batizada', chute na barriga, Fenômeno, Imperador, Messi: veja dez confrontos entre Argentina e Brasil

    GUILHERME SETO
    SÉRGIO RANGEL
    ENVIADOS ESPECIAIS A BELO HORIZONTE

    10/11/2016 12h00

    Historicamente, a Argentina leva vantagem nos confrontos com o Brasil. Cento e um embates já aconteceram, com 39 vitórias para os argentinos, 37 para os brasileiros e 25 empates. Antes do encontro entre as seleções nesta quinta-feira (10), no Mineirão, pelas eliminatórias da Copa de 2018, veja abaixo uma lista com alguns dos maiores jogos do passado:

    *

    Platinismo

    Em 1940, com protagonismo dos atacantes Carlos Peucelle (três gols) e Masantonio (dois gols, maior artilheiro da história do Huracán), a Argentina aplicou uma goleada no Brasil que nunca seria superada na história do clássico. Em Buenos Aires, pela Copa Roca, venceram por 6 a 1. Jair Rosa Pinto fez, de falta, o solitário gol brasileiro. Na década de 1940, a Argentina frequentemente se impôs sobre o Brasil, e o jornalista Mário Filho deu o nome de "platinismo" a essa desproporção.

    Jogo violento

    Conhecida como "A Batalha de Rosario" por causa das jogadas violentas entre os jogadores, a partida disputada em 18 de junho de 1978 — que terminou em 0 a 0 era válida pela Copa da Argentina. O país vivia sob a ditadura de Jorge Videla, e os jogadores relatam um clima bastante tenso e suspeitas de resultados arranjados para favorecer o país sede. O empate favorecia o Brasil, já que a Argentina precisaria vencer o Peru por quatro gols de vantagem para ganhar a vaga. Goleou por 6 a 0, avançou e foi campeã sobre a Holanda.

    Folhapress
    ROSÁRIO, ARGENTINA, 18-06-1978: Futebol - Copa do Mundo, 1978: o jogador Dirceu da Seleção Brasileira, durante jogo contra a Seleção da Argentina, em jogo válido pela Copa do Mundo de 1978, no Estádio Gigante de Arroyito, em Rosário (Argentina). Brasil e Argentina empataram por 0 a 0. (Foto: Folhapress)
    Dirceu, da seleção brasileira, carrega bola no estádio Gigante de Arroyito, na Argentina

    Maradona em baixa

    Glorificada pelos românticos do futebol, entre eles o próprio treinador da seleção brasileira, Tite, a seleção brasileira de 1982 bateu a Argentina por 3 a 1 no dia 2 de julho de 1982 e eliminou os adversários da Copa na segunda fase. Zico, Chulapa e Júnior marcaram os gols brasileiros, e Diaz descontou. Maradona, então com 22 anos, deu chute na barriga do meia Batista e foi expulso.

    Jorge Araújo/Folhapress
    BARCELONA, ESPANHA, 02-07-1982: Futebol - Copa do Mundo, 1982: o jogador Falcão da Seleção Brasileira, durante jogo contra a Seleção da Argentina, válido pela Copa do Mundo de 1982, no Estádio Sarrià, em Barcelona (Espanha). O Brasil derrotou a Argentina com placar de 3 a 1, na Segunda Fase da Copa do Mundo 1982. O placar da partida foi construído por Zico, Serginho Chulapa e Júnior, para o Brasil, e Diaz, para a Argentina. Pela Argentina, Maradona foi expulso. (Foto: Jorge Araújo/Folhapress)
    Falcão em jogo da seleção brasileira contra a Argentina em Barcelona

    Maradona em alta

    Ziguezagueando desde o meio de campo, Maradona dribla três brasileiros e deixa Caniggia cara a cara com Taffarel, que então é driblado e sofre o gol. Na música sensação da Copa de 2014, "Decíme que se siente", os torcedores argentinos lembravam do episódio na passagem "E Cani te vacunó" [E Caniggia te arrebentou] de 24 de junho de 1990. A Argentina eliminou o Brasil nas oitavas de final da Copa da Itália com vitória por 1 a 0. Trata-se da partida em que, segundo Maradona, o lateral Branco teria recebido uma água "batizada" com soníferos dos argentinos.

    Luca Bruno/Associated Press
    Futebol - Copa do Mundo, 1990: o jogador Claudio Caniggia, da seleção da Argentina, faz gol em Taffarel, da seleção brasileira, na derrota do Brasil por 1 a 0, nas oitavas de final da Copa do Mundo, 1990, em Turim (Itália). *** FILE - In this June 24, 1990 file photo, Argentina's Claudio Caniggia, right, scores, as the Brazilian goalkeeper Claudio Taffarel watches helplessly, during the World Cup second round soccer match, in Turin, Italy. On this day: Against the run of play, Argentina beats rival Brazil 1-0 to progress to the quarterfinals. (AP Photo/Luca Bruno, File) ORG XMIT: LWC116
    Caniggia faz gol em Taffarel nas oitavas de final da Copa do Mundo da Itália

    Ronaldo derruba Argentina

    Pelas eliminatórias da Copa de 2006, Ronaldo, então no Real Madrid, fez três gols de pênalti no Mineirão e deu a vitória sobre a Argentina. Do lado argentino, o gol foi marcado pelo lateral Sorin, que então estava no PSG depois de passagem pelo Cruzeiro. O tento foi comemorado pela porção cruzeirense do estádio, que também cantou o nome do jogador e o aplaudiu.

    Flávio Florido / Folhapress
    ORG XMIT: 075601_1.tif Futebol - Eliminatórias da Copa do Mundo 2006 - Brasil 3 x 1 Argentina: Ronaldo (quarto da esq. para a dir.) é abraçado por jogadores brasileiros após sofrer o terceiro pênalti no estádio do Mineirão, em Belo Horizonte (MG). Com três gols de pênalti de Ronaldo, o Brasil derrotou a Argentina por 3 a 1 e assumiu a liderança das eliminatórias para a Copa de 2006, com 12 pontos, contra 11 dos argentinos. (Belo Horizonte, MG, 02.06.2004. Foto: Flávio Florido / Folhapress)
    Ronaldo é abraçado por Júlio Batista (de costas), Edmilson e Edu após sofrer pênalti no Mineirão

    Imperador

    Na primeira decisão de título em jogo único da história de Brasil e Argentina, a vitória por 2 a 1 dos últimos parecia definida quando, aos três minutos dos acréscimos do segundo tempo, Diego cruzou, Adriano dominou, petecou a bola e finalizou com força. Nos pênaltis, o Brasil venceu por 4 a 2 (D'Alessandro e Heinze erraram as cobranças) e conquistou a Copa América no Peru, em 2004.

    Daniel Garcia/Associated Press
    ORG XMIT: 411101_1.tif Futebol - Copa América, 2004: Brasil x Argentina: o atacante brasileiro Adriano, faz geto característico para comemorar o gol nos acréscimos que levou o Brasil aos pênaltis. Brazilian Adriano celebrates after scoring the second goal against Argentina 25 July 2004, during their Copa America 2004 final match at the Nacional stadium in Lima, Peru. AFP PHOTO/Daniel GARCIA
    Adriano comemora título do Brasil na Copa América de 2004

    Último tango em Buenos Aires

    Em noite inspirada do meia Riquelme no Monumental de Núñez, em Buenos Aires, a Argentina, treinada por José Pekerman, bateu o Brasil por 3 a 1 em 8 de junho de 2005, com dois gols do centroavante Hernan Crespo e um do meia do Boca Juniors. Esta foi a última vitória sobre o Brasil em jogos oficiais. Daquele time, o único que continua no grupo é Javier Mascherano.

    Antonio Gauderio/Folhapress
    BUENOS AIRES - ARGENTINA - 08.06.2005 - ESPORTES Confusao e desentendimento entre os jogadores durante o jogo da Selecao Brasileira de Futebol x Argentina no estadio Munemental de Nunes pelas eliminatorias da Copa 2006. Foto: Antonio Gauderio/Folha Imagem - 0645
    Jogadores de Brasil e Argentina se desentendem durante jogo em 2005 em Buenos Aires

    A onda do Imperador

    Assim como em 2004, na Copa América, o atacante Adriano voltaria a ser o grande nome da decisão da Copa das Confederações de 2005, na Alemanha. No entanto, desta vez, sem sufoco. Pelo contrário: 4 a 1 sobre os maiores rivais, com gol já aos 11 minutos de jogo, de Adriano, que ainda marcaria mais um. Kaká e Ronaldinho Gaúcho ajudariam a compor a goleada.

    Thomas Bohlen/Reuters
    ORG XMIT: 514501_0.tif Futebol - Copa das Confederações, 2005 - Brasil 4 x 1 Argentina: o atacante Adriano, que marcou o primeiro e o quarto gol do Brasil na vitória sobre a Argentina, festeja com o goleiro alemão Lux ao fundo, em Frankfurt (Alemanha). Brazil's Adriano's (C) runs in celebration past Argentina's defender Javier Zanetti (L) after scoring his second goal against Argentina's goalkeeper German Lux during their Confederations Cup final soccer match in Frankfurt June 29, 2005. REUTERS/Thomas Bohlen
    Adriano comemora um dos seus dois gols na vitória sobre a Argentina na Copa das Confederações de 2005

    Trunfo dos renegados

    Na edição de 2007 da Copa América, na Venezuela, Dunga levou um elenco cheio de nomes contestados à época, tentando acelerar uma renovação da seleção brasileira após a Copa de 2006. Com nomes como Doni, Mineiro, Josué, Julio Baptista, Robinho e Vagner Love, o Brasil chegou à final aos trancos e barrancos e enfrentaria a favoritíssima Argentina, que tinha Ayala, Milito, Mascherano, Riquelme, Verón, Messi e Tévez no time titular. Com gols de Julio Baptista, Daniel Alves e um contra de Ayala, o time conquistou novamente a Copa América contra a Argentina.

    Antonio Gauderio/Folhapress
    MARACAIBO,VENEZUELA. 15.07.207 - Selecao Brasileira de Futebol, Brasil x Argentina pela final da Copa America no estadio Pachencho Romero. Foto: Antonio Gauderio/Folha Imagem
    Jogadores da seleção comemoram título da Copa América de 2007

    Messi derruba Brasil

    Oito anos depois de Ronaldo ter anotado três gols no Mineirão, Messi, que herdou dele o posto de melhor do mundo, deu o troco no dia 9 de junho de 2012. Em amistoso em New Jersey, nos Estados Unidos, "La Pulga" passou com facilidade pela dupla Bruno Uvini e Juan e levou a Argentina à vitória por 4 a 3. Em preparação para os Jogos de Londres, a seleção brasileira foi representada por nomes como Rafael Cabral, Sandro, Rômulo, Lucas, Oscar, Neymar e Leandro Damião.

    Ricardo Nogueira/Folhapress
    EAST RUTHERFORD, NJ, Estados Unidos, 09-06-2012, 15H00, ESPORTES, BRASIL X ARGENTINA: Neymar (Brasil) e Messi (Argentina) durante partida no MetLife Stadium, em East Rutherford, New Jersey. (Foto: Ricardo Nogueira/Folhapress)***exclusivo Folha***
    Messi e Neymar disputam bola em amistoso nos EUA

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017