• Ciência

    Monday, 23-Oct-2017 11:36:48 BRST
    BBC

    De teste de DNA caseiro a organismos geneticamente modificados: os projetos dos biohackers brasileiros

    LETÍCIA MORI
    DA BBC BRASIL

    02/10/2017 16h49

    JVisentin/Getty Images
    A ideia do biohacking é democratizar o acesso à ciência
    A ideia do biohacking é democratizar o acesso à ciência

    Parece um papo comum: um grupo de jovens que ainda não se formou na faculdade se reúne ao redor de um porção de esfirras baratas e discute se aquela carne tem origem duvidosa.

    A paranoia sobre a origem da proteína animal é frequente, mas, nessa turma, a conversa não fica só na teoria conspiratória: reunidas em um laboratório de garagem, as amigas estão testando protocolos para fazer um teste de procedência da carne.

    Isso mesmo: checar se o DNA daquela amostra é realmente bovino.

    Bem-vindo ao mundo do biohacking : um universo onde entusiastas fazem uso da biologia de maneira amadora em resposta a uma curiosidade científica, uma dúvida pessoal ou um problema coletivo.

    FAÇA VOCÊ MESMO

    Otto Heringer
    Estudantes testam protocolos para checar a origem de carne
    Estudantes testam protocolos para checar a origem de carne

    A palavra hacking não é novidade. No Brasil, costuma ser associada à ideia de hackers que invadem computadores e roubam dados, os "piratas de computadores".

    Mas o conceito de hacking na verdade é muito mais amplo –e não está necessariamente ligado a ações maliciosas. Em seu sentido original, significa fazer modificações em sistemas ou programas para obter um recurso que antes não estava disponível, encontrar uma melhoria ou corrigir um problema.

    Existe inclusive a chamada "cultura hacker ", uma ideologia que prega amplo acesso à tecnologia, livre circulação de informação, descentralização de conhecimento e inovação.

    Divulgação
    Projeto Conector Ciência, de Filipe Oliveira, faz, por exemplo, extração de DNA com técnicas baratas
    Projeto Conector Ciência, de Filipe Oliveira, faz, por exemplo, extração de DNA com técnicas baratas

    O hacking também não precisa estar restrito ao mundo da informática: o biohacking une o universo da biologia com a cultura hacker, formando a Biologia DIY, que quer dizer "do it yourself", ou "faça você mesmo".

    "A ideia é democratizar a tecnologia, mostrar que a ciência não precisa se restringir à área da universidade. É ampliar o número de experiências possíveis com menos recursos", diz o colombiano Andres Ochoa, consultor de tecnologia e criador da rede SynTechBio, que reúne biohackers da América Latina. A rede tem como membros pelo menos 14 grupos espalhados pelo continente, três deles no Brasil.

    O biohacking é essencialmente interdisciplinar, ou seja, atrai pessoas de áreas como Física, Design, Artes, Computação e Matemática. "Elas juntam seus conhecimentos à Biologia para desenvolver projetos", diz Ochoa.

    Claro que, assim como hackers de computadores, os interessados precisam ter um bom conhecimento no assunto para poder se aventurar em ações mais inovadoras. Mas isso não significa ter doutorado em Biotecnologia, diz a professora Liza Felicori, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

    "A Biologia é bastante acessível, é possível fazer o conhecimento se popularizar. Tanto que, às vezes, a gente faz experimentos com alunos de ensino médio e eles entendem, fazem bem. Conseguem tranquilamente extrair o DNA de um morango, por exemplo", afirma ela, que está montando um laboratório aberto para pessoas de fora da universidade.

    "Muitas vezes, a universidade fica fechada demais em si mesma. Os jovens não têm os bloqueios de quem lida com as dificuldades da ciência há anos e acabam trazendo novas soluções."

    CHIPS E DNA

    Há três principais subdivisões na Biologia DIY. Grupos focados em fazer experimentos para encontrar soluções; pessoas interessadas em desenvolver e baratear equipamentos e em montar laboratórios coletivos que possibilitem esses experimentos; e uma terceira vertente, interessada em modificações corporais tecnológicas.

    Getty Images
    Soluções para problemas do cotidiano é uma vertente do biohacking
    Soluções para problemas do cotidiano é uma vertente do biohacking

    Nessa última área estão, por exemplo, pessoas que injetam chips e ímãs sob a pele e fazem experimentações colocando substâncias e até mesmo circuitos eletrônicos no próprio corpo. Essa é a vertente do biohacking que acaba chamando mais atenção, mas também atrai críticas dentro do movimento.

    "É um grupo muito pequeno que faz isso. Chamam atenção, mas são minoria. Estamos falando de tecnologias que estão evoluindo cada vez mais rápido. Não faz sentido você colocar em seu corpo um negócio que em pouco tempo vai ficar obsoleto", diz Andres Ochoa.

    Ele argumenta que a grande tendência são as tecnologias "usáveis", como relógios inteligentes e circuitos que podem ser colados sobre a pele e removidos com facilidade.

    "Em geral, quem faz isso na verdade está fazendo uma declaração, é mais um ato simbólico do que uma coisa que tenha uma grande função prática", diz o biohacker Otto Heringer, de São Paulo, que começou a fazer experimentos como distração e acabou criando uma pequena empresa para criar um novo defensivo agrícola através do desligamento de um gene de pragas.

    Um de seus sócios, Erico Perrella, implantou um chip RFID na mão em 2014 –sua intenção era usar o mecanismo para dar partida em sua kombi, mas o carro acabou vendido, e o chip, que ainda está em sua mão, hoje não tem mais utilidade para ele.

    Otto Heringer
    Projeto de uma pipetadora de baixo custo em desenvolvimento pelo biohacker Otto Heringer
    Projeto de uma pipetadora de baixo custo em desenvolvimento pelo biohacker Otto Heringer

    Já dentro do campo das experimentações, as possibilidades trazidas pela Biologia DIY são inúmeras. A ideia de analisar a origem de alimentos, por exemplo, se baseia em uma técnica chamada DNA Barcoding (Código de Barras de DNA, em tradução livre).

    Todo segundo sábado do mês o centro Genspace, em Nova York, abre seu laboratório para que as pessoas levem suas próprias amostras de alimentos e façam testes do tipo. Há quem invista na divulgação científica e nas possibilidades educacionais da Biologia DIY.

    É o caso do carioca Filipe Oliviera, um dos criadores do Conector Ciência, iniciativa que visa colocar em contato escolas com métodos de ensino de baixo custo e fazer os próprios alunos construírem os equipamentos. Dá para descobrir a biodiversidade com um microscópio de papel, fazer a automação de luzes com sensores de luminosidade, entre outros usos.

    Outro caminho comum é o desenvolvimento de novos materiais, como fez o estudante de Biotecnologia baiano Geisel Alves, que ajudou uma ONG a criar um mecanismo que converte fibra do coco verde em papel reciclável usando métodos caseiros e materiais acessíveis.

    Hub/Divulgação
    Carol Gongaza (à esq.) com o time com quem está montando um laboratório aberto de inovação no Rio
    Carol Gongaza (à esq.) com o time com quem está montando um laboratório aberto de inovação no Rio

    "É um material fibroso genérico que você mistura com outros materiais para fazer várias coisas. Além do papel, dá pra fazer telha, piso, tijolo", explica Alves. "Aqui, o alto consumo de coco é um problema grande, porque eles acabam empilhados nas praias. Atrai ratos, mosquito da dengue."

    "Novos materiais são um nicho", diz Andres Ochoa. "No Brasil já se trabalha com produção de um tecido ecológico que parece com couro a partir dos micro-oganismos que fazem kombucha [uma bebida fermentada]."

    Manipular micro-organismos também é muito útil para tornar alguns tipos de fármacos mais acessíveis.

    Andrés Ochoa participou da fase inicial do projeto Open Insulin, em que um grupo de 16 biohackers se uniu para criar um protocolo open source (aberto) de insulina –espécie de instrução que serve de base para a produção da substância, usada no tratamento de diabetes, de maneira mais barata e acessível. O projeto conseguiu arrecadar U$ 16 mil ( R$ 50 mil) no Experiment, uma plataforma de financiamento coletivo para pesquisas científicas.

    No Brasil, não há legislação específica para "laboratórios de garagem", no entanto, tudo o que é produzido fica sujeito à legislação específica para aquele produto. Remédios, por exemplo, terão de passar por aprovação da Anvisa antes de serem distribuídos.

    Por isso, os biohackers acabam criando empresas e muitas vezes profissionalizando o que era um hobby. A engenheira química Clarissa Lopes, o estudante de Engenharia Aeroespacial Lucas Milagres e o estudante de Bioinformática Carlos Gonçalves criaram uma empresa para tocar seu projeto de usar bactérias na produção de calcitriol, um medicamento usado no tratamento de insuficiência crônica renal.

    "A indústria farmacêutica usa hoje outro processo, de bem mais difícil acesso. Não há nenhum produtor local", afirma Gonçalves, que evita divulgar mais detalhes do projeto por ainda não ter registrado uma patente. Sua expectativa é chegar a um forma de produção mais barata do remédio.

    LABORATÓRIOS

    O Brasil já tem diversos laboratórios "de garagem" abertos, com impressoras 3D e outros materiais para quem é adepto do faça-você-mesmo –como o Olabi, no Rio de Janeiro, e o Garoa Hackerspace e os FabLabs da Prefeitura de São Paulo.

    Para trabalhar com "Biologia de Garagem", no entanto, é preciso um pouco mais: áreas separadas, estéreis, com equipamentos específicos e protocolos de biossegurança. São os chamados wetlabs, laboratórios "molhados", porque lidam com componentes vivos.

    O espaço aberto pela professora Liza Felicori, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), é um deles. Ele já recebeu os equipamentos e deve abrir até o fim do ano. Há microscópios, estufa, pipetas, uma centrífuga (para separar componentes de soluções), uma impressora 3D, uma máquina de PCR (para reproduzir DNA em grandes quantidades) e um nanodrop (que mede a concentração de moléculas).

    Arquivo Pessoal
    O projeto de Filipe Oliveira trabalha com divulgação científica para crianças e adolescentes
    O projeto de Filipe Oliveira trabalha com divulgação científica para crianças e adolescentes

    A estudante Carol Gonzaga também montou um desses espaços, o Hub, com outros cinco biohackers no Rio de Janeiro. O laboratório fica atualmente em um local improvisado, mas será levado para um galpão de 320 m².

    "Terá um espaço de fabricação digital, uma cozinha experimental, laboratório de biohacking e um laboratório de mídia para lidar com eletrônica e comunicação", explica ela, que conseguiu apoio do parque tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

    Interessado em baratear equipamentos para esses laboratórios, o brasileiro André Maia Chagas desenvolveu projetos nesse sentido e acabou lançando a start-up Prometheus Science, na Alemanha.

    Sua empresa é parte da enorme comunidade criando equipamentos baratos e mais acessíveis. "Possibilitando que um experimento que custa 100 euros possa ser feito por 3, você quebra um das principais barreiras da ciência, que é a dificuldade de acesso por causa de dinheiro", diz ele.

    NÓS E ELES

    Nos Estados Unidos e na Europa, o movimento Biologia DIY foi surgindo conforme tecnologias biológicas, como sequenciamento de DNA, foram ficando mais acessíveis. Já no Brasil e em países como Índia e África do Sul, contam os biohackers, o movimento surgiu da necessidade.

    "Nos Estados Unidos, o acesso é tão fácil, tudo é tão barato que a galera consegue montar laboratórios na própria garagem. Aqui em São Paulo, não tem como fazer isso. Para começar, a gente nem tem garagem", diz Otto Heringer, que faz especialização na Universidade de São Paulo (USP).

    Há mais de 80 espaços de Biologia DIY pelo mundo, de acordo com o site DIYBio. A maioria é em cidades do hemisfério norte como Amsterdã (Holanda), Berlim (Alemanha), Paris (França), Nova York e São Francisco (Estados Unidos).

    "Não posso reclamar da USP, mas muitas universidades federais não têm os laboratórios que os caras na Europa têm em casa", afirma o Heringer. Nos Estados Unidos, por exemplo, é possível comprar kits prontos de engenharia genética pela internet.

    Arquivo pessoal
    Componentes para estudo de neurogenética criado pelo projeto de André Maia Chagas
    Componentes para estudo de neurogenética criado pelo projeto de André Maia Chagas

    No Brasil, por conta dos preços e das dificuldades, a maioria dos laboratórios abertos na área de biologia ainda são, de algum modo, ligados às universidades –ocupando espaços ou reaproveitando equipamentos.

    "Mesmo a ciência 'oficial' que fazemos muitas vezes é em uma salinha minúscula, com material improvisado, com muita dificuldade. A gente está acostumado com a gambiarra. Sair dos muros da universidade ou dos laboratórios das grandes indústrias é quase uma questão de sobrevivência pra gente. O biohacking faz muito mais sentido para nós do que para eles", afirma.

    Ele também aponta a diferença nos tipos de iniciativas: enquanto no Brasil os projetos tendem a ser voltados para resolver problemas reais, nos Estados Unidos e na Europa, muitos deles são mais recreativos ou tem um quê de hobby excêntrico.

    Nos locais onde o movimento é mais desenvolvido, já começaram as surgir as preocupações com possíveis riscos –laboratórios amadores não poderiam criar organismos nocivos? O FBI, a polícia federal americana, monitora o movimento, mas não há regulamentação específica.

    Os entusiastas dizem que todos os locais seguem protocolos de biossegurança e cartilhas de bom funcionamento. O cientista francês Thomas Landrain, que estuda o movimento, diz em sua pesquisa que os espaços ainda não têm sofisticação suficiente para gerar problemas.

    Mas, apesar da relativa limitação técnica, os biohackers seguem entusiasmados. "Tornar a ciência mais acessível tem um enorme potencial transformador", diz André Maia Chagas, do Prometheus Science.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017