• Ciência

    Sunday, 19-Nov-2017 14:00:02 BRST
    BBC

    Comércio viking de esquilos pode ter espalhado hanseníase

    DA BBC BRASIL

    04/11/2017 17h34

    BBC
    Uma pesquisa revelou que um crânio encontrado em Suffok, na Inglaterra, tinha marcas de hanseníase semelhante à encontrada em esquilos
    Uma pesquisa revelou que um crânio encontrado em Suffok, na Inglaterra, tinha marcas de hanseníase semelhante à encontrada em esquilos

    O comércio de esquilos feito por Vikings pode ter levado hanseníase para a Inglaterra durante a era pré-medieval, indicam arqueólogos.

    Uma pesquisa revelou que um crânio humano encontrado em Suffok, na Inglaterra, tinha marcas bastante semelhantes a um tipo da doença conhecida por afetar esquilos.

    Testes de radiocarbono dataram o crânio feminino encontrado em Suffok entre os anos 885 e 1015.

    A mesma variante da doença também foi identificada em restos mortais datados da Idade Média e encontrados na Dinamarca e também na Suécia - países naturais dos Vikings.

    Sarah Inskip, da Universidade de Cambridge, afirmou que o contato com a "pele e carne de esquilo, muito apreciadas, podem ter espalhado a doença."

    O sequenciamento de DNA da bactéria Mycobacterium leprae, responsável pela hanseníase e encontrada animais "modernos", mostrou que ela está relacionada com o tipo encontrado no esqueleto achado em Suffok.

    Essa bactéria também é semelhante à identificada em tatus, que posteriormente foi transmitida a seres humanos na Flórida, nos Estados Unidos.

    Sarah Inskip
    Crânio encontrado na Inglaterra com marcas de hanseníase
    Crânio encontrado na Inglaterra com marcas de hanseníase

    "A ideia de que a hanseníase possa ter vindo dos esquilos é bastante interessante", diz Inskip. Os portos de King's Lynn e de Yarmouth, na Inglaterra, eram importantes importadores de pede de esquilos vindos da Dinamarca e da Suécia, ela acrescenta.

    Na época, esses animais também eram domesticados.

    A hanseníase foi anteriormente encontrada no esqueleto de um homem em Chesterford, na Inglaterra, que datava entre os séculos 5 e 6 a.C., sugerindo que a doença persistiu por centenas de anos no Sudeste da Inglaterra.

    "Esta nova evidência, juntamente com a existência de 'leprosários' em East Anglia (no Leste da Inglaterra), a partir do século 11, contribui para a ideia de que a doença era endêmica nesta região antes de outras partes do país".

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017