• Colunistas

    Monday, 18-Dec-2017 20:27:42 BRST
    Adriana Gomes

    Mais que ouvir

    DE SÃO PAULO

    11/05/2014 03h15

    A comunicação é, sem dúvida, um dos grandes entraves no mundo corporativo. A questão que trago hoje nem é tanto a comunicação verbal, o falar, mas, sim, o escutar. Nas últimas semanas venho observando o quanto a paciência e a tolerância com o processo de escuta, importantíssimo para que haja, efetivamente, a troca de informações, parecem estar reduzidas.

    Nada me tira da cabeça que os índices de violência do país refletem, de certo modo, a falta de escuta dos governantes e dos gestores sobre as carências, as necessidades e as insatisfações.

    As pessoas não se sentem ouvidas, então berram por meio dos atos de violência. Querem atenção, de alguma maneira. Quando a pessoa se sente ignorada, excluída ou marginalizada, fica muito frustrada.

    Nas organizações também. Entre as maiores queixas dos profissionais está a falta de reconhecimento, que pode ser entendida como a baixa percepção do outro –é possível incluir nesse pacote a falta de escuta.

    Será que estamos atarefados demais para olhar o outro? Será que o contato virtual nos rouba o real? Será que nos acostumamos com as estatísticas e os números e ficamos menos atentos para a percepção do indivíduo?

    Lembro que escutar é diferente de ouvir. Se você não tem problemas no aparelho auditivo, você ouve. Mas escutar implica dar atenção ao que o outro está dizendo e compreendê-lo: não só com palavras, mas também com gestos, postura, expressão facial e tom de voz.

    A escuta é uma exigência para as relações, mas está em baixa.

    Fazer esse exercício implica olhar e observar cuidadosamente seu interlocutor, compreender o que ele diz e os sentimentos envolvidos, sem julgamentos. Fique atento também para a fluidez do discurso e as vacilações, pois todos esses detalhes podem revelar o que as palavras não conseguem dizer.

    Quando a pessoa sente que é escutada, dá mais abertura para a mudança de atitudes, pois ela se sente valorizada e, por isso, menos defensiva e mais flexível.

    adriana gomes

    Escreveu até junho de 2016

    Mestre em psicologia, coordena o Núcleo de Estudos e Negócios em Desenvolvimento de Pessoas da ESPM.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017