• Colunistas

    Tuesday, 24-Oct-2017 09:26:20 BRST
    Adriana Gomes

    Atrair e reter talentos

    12/10/2014 02h00

    A retenção de talentos é uma preocupação legítima dos RHs das empresas. Essa é realmente uma tarefa hercúlea, porque "talento" é, pela própria designação, escasso. Porém, antes de reter, a missão mais difícil tem sido atraí-los.

    Talento é definido como a inclinação natural de uma pessoa a realizar determinada atividade: o conjunto de aptidões, naturais ou adquiridas, que condicionam o êxito em determinada atividade. Não tropeçamos em talentos a toda hora.

    Uma curiosidade: essa palavra é derivada do latim talentum e é uma referência à parábola dos talentos, que era a moeda das antiguidades grega e romana. A história é a seguinte: um homem entrega a três servos, respectivamente, cinco talentos, dois talentos e um talento. Os dois primeiros investem o dinheiro e dobram o capital, porém o terceiro o enterra e o devolve ao seu senhor. Os dois primeiros recebem elogios, mas o terceiro é punido.

    Há pessoas que se acham talentosas, mas não atendem às expectativas dos contratantes. Em muitos casos, o êxito estabelecido pelas empresas é superestimado ou não é claramente definido, o que dificulta o acerto.

    Em uma pesquisa da empresa de recrutamento Robert Half, que ouviu 1.475 diretores de RH de nove países, sendo cem deles do Brasil, 86% dos entrevistados brasileiros se disseram preocupados com retenção de profissionais talentosos. Por aqui, as três principais estratégias para "segurar" esses funcionários são: aumento de remuneração (60%), concessão de benefícios flexíveis (54%) e treinamento e desenvolvimento (49%).

    Na minha percepção, seria interessante que se avaliassem novas estratégias para a retenção de profissionais, entre elas a capacitação de líderes e gestores para lidar com gente, pois esta é uma das maiores causas de evasão das empresas.

    O profissional precisa perceber que vale a pena permanecer naquela empresa por causa da atividade que realiza, da motivação que tem e por se sentir importante, fazendo parte de algo maior. As pessoas buscam, segundo a maioria das pesquisas, maior percepção de qualidade de vida e isso pode significar rever o modelo de gestão e também a estratégia adotada para a retenção de pessoas.

    adriana gomes

    Escreveu até junho de 2016

    Mestre em psicologia, coordena o Núcleo de Estudos e Negócios em Desenvolvimento de Pessoas da ESPM.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017