• Colunistas

    Monday, 23-Oct-2017 22:27:20 BRST
    Adriana Gomes

    Tudo bem?

    27/09/2015 02h00

    Não sou pessimista. Aliás, tenho tendência a ver o lado positivo das situações e talvez seja essa uma das características que me permitem executar bem minha atividade profissional: auxiliar profissionais a identificar alternativas para seus projetos de mudança de emprego, de carreira, de vida.

    Entretanto, apesar dessa forte característica, fiquei prestando atenção no quanto a pergunta "tudo bem?", repetida à exaustão, é apenas uma expressão irrelevante na vida das pessoas.

    Ninguém quer saber se você está bem ou não. Um colega sentou na minha frente, na mesa de trabalho, e perguntou: "Tudo bem?". Olhei para ele, me acomodei na cadeira, em silêncio. O silêncio se prolongou e o olhar foi inquisitivo e insistente. Meu silêncio se manteve.

    Nessas horas, deveria haver um símbolo, como a ampulheta que aparece nos computadores, para sinalizar ao interlocutor que a pessoa está no modo "pensando", fazendo varredura nos arquivos da memória.

    Respondi ao meu colega que essa era uma pergunta importante e que eu poderia responder protocolarmente com o default: "Sim! Tudo bem", #soquenao, ou elencar tudo que não está bom.

    Minha lista começou a ficar maior do que eu mesma imaginava. É nisso que dá pensar para responder. Nem tudo é simples, fácil, corriqueiro, trivial ou banal.

    Assim, caro leitor, minha proposta para hoje é te levar por esse caminho comigo. Fazer boas perguntas pode significar o primeiro passo para a tomada de consciência e consequentemente mudar. Tudo bem?

    Defina o que cabe dentro de TUDO (vida pessoal, profissional, familiar, relacionamentos afetivos, saúde, finanças, etc) e o que é BEM (quais são seus parâmetros, métricas, comparativos, indicativos que te balizam nessa definição?).

    O que está bem? O que não está bem? Você quer melhorar alguma coisa, ou o "bem" já é suficiente para você? O que você quer melhorar? O que você pode fazer para melhorar?

    Essa pergunta é excelente para pensar no momento atual, rever seus projetos, realinhar expectativas pessoais com o cenário atual e também para traçar planos de ação para modificar ou melhorar o que não está tão bem assim!

    adriana gomes

    Escreveu até junho de 2016

    Mestre em psicologia, coordena o Núcleo de Estudos e Negócios em Desenvolvimento de Pessoas da ESPM.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017