• Colunistas

    Monday, 18-Dec-2017 08:48:33 BRST
    Alessandra Orofino

    No Brasil não há justiça, há berço, manobra e vingança

    12/06/2017 02h00

    Fotomontagem
    Jovem tem testa tatuada; trote de escola gaúcha; ministro Gilmar Mendes durante julgamento da chapa Dilma-Temer
    Jovem tem testa tatuada, trote de escola gaúcha e ministro Gilmar Mendes em julgamento no TSE

    Segunda, dia 05 de Junho: a internet pega fogo diante de fotos de uma festa em escola particular intitulada "Se Nada Der Certo". Nelas, adolescentes brancos sorriem para as câmeras vestidos de babás, faxineiras caixas e ambulantes.

    Terça, dia 06 de Junho: começa o julgamento da chapa Dilma-Temer pelo TSE, que, como sabemos, culminaria com a absolvição da dupla.

    Sexta, dia 09 de Junho: começa a circular no Whatsapp um vídeo no qual dois homens tatuam a frase "Eu sou ladrão e vacilão" na testa de um jovem.

    O que mais choca na história da escola em Nova Hamburgo não é tanto os alunos acharem que ser faxineira ou porteiro seria uma tragédia em suas vidas. O que choca é os alunos acharem que ser faxineira ou porteiro é, de fato, uma possibilidade que se desenha para eles. Como se apenas o mérito os separasse de quem exerce essas profissões. A ilusão de que vivemos num país meritocrático é tamanha que a própria escola afirmou que "atividades como essa auxiliam na sensibilização dos alunos quanto à conscientização da importância de pensar alternativas no caso de não sucesso no vestibular". Que lindo seria se virar caixa fosse alternativa para filhos de família rica que não estudaram o suficiente. Mas a alternativa não é essa. A alternativa é continuar dependendo dos pais, ou conseguir um emprego através dos contatos da família. No Brasil, não existe justiça, existe berço.

    O que mais choca na história do TSE é saber que o voto de minerva foi dado por Gilmar Mendes, o mesmo que, em abril, tirou férias logo depois da defesa de Dilma pedir vistas no processo. Coincidentemente, a decisão da defesa da ex-presidenta e as férias de Gilmar aconteceram logo quando dois ministros do TSE terminaram seus mandatos. Assim, Temer teve tempo de nomear dois dentre os sete juízes responsáveis por julgá-lo -ambos votaram pela absolvição. No Brasil, não existe justiça, existem manobras —e contatos.

    O que mais choca na história da tatuagem é saber que os dois torturadores, quando identificados pela polícia, justificaram-se alegando estarem "revoltados" com o jovem, que supostamente roubara uma bicicleta. E com muita gente, a desculpa colou: a campanha de doações para a família do jovem tatuado -que sofre de transtornos psiquiátricos- está sendo alvo da atividade de falsos doadores anônimos. No Brasil, não existe justiça, existe vingança.

    Os três eventos, aparentemente isolados, apontam para a falência completa de nosso pacto social: a ideia de que é possível crescer na vida apenas com esforço. A ideia de que nossos representantes nos representam -e que se lançarem mão de meios ilegais para ocupar seus cargos, as instituições se encarregarão de corrigir os abusos. A ideia de que a melhor forma de lidar com quem infringe a lei e a ordem é confiando na polícia, na Justiça, e acreditando na possibilidade de recuperação de cada ser humano.

    A descrença na Igualdade, na Democracia e na Justiça só pode levar ao individualismo, ao autoritarismo, ao fascismo. Já está acontecendo. No Brasil do cada um por si, é bom cuidar para que "tudo dê certo" para você e para a sua família -e dane-se o resto. É bom só cometer crimes se a relação com o juiz for muito boa. E é bom adotar a política do olho por olho, dente por dente -porque se a impunidade atinge até o presidente, o que podemos dizer de um ladrão de bicicletas?

    alessandra orofino

    É economista, cofundadora da Rede Meu Rio e diretora da organização Nossas. Curadora do blog #AgoraÉQueSãoElas. Escreve às segundas, a cada duas semanas

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017