• Colunistas

    Monday, 23-Oct-2017 09:31:03 BRST
    Alessandra Orofino

    Espantalho perfeito

    21/08/2017 02h00

    Ricardo Borges/Folhapress
    Rio de Janeiro, Rj, BRASIL. 10/08/2017; Munique Gomes (32), mae de PM morto no Rio. Cresceu este ano o número de policiais militares mortos no estado. ( Foto: Ricardo Borges/Folhapress)
    Munique Gomes, 32, mulher de policial militar morto no Rio; ele estava de folga na hora do crime

    A tragédia já foi noticiada por essa mesma Folha: apenas este ano, quase 100 policiais militares –e outros tantos civis– foram assassinados no Rio de Janeiro. A maioria desses homens e mulheres morre fora de serviço –reagindo a assaltos, ou sendo reconhecidos como policiais por assaltantes que os executam. Ou seja: os policiais fluminenses são vítimas do mesmo caos de segurança pública que assola o Estado e ameaça todos os cidadãos. E ter uma arma na mão, ao contrário do que professam os detratores do estatuto do desarmamento, não é garantia de proteção para ninguém.

    A política de segurança do Rio, que nos últimos anos orbitou em torno do projeto das UPPs, colapsou. Os policiais também são servidores públicos abandonados por um Estado que, após quase dez anos de desgoverno nas mãos da máfia do PMDB –e com apoio, reiteradas vezes, do PT– é incapaz de honrar seus compromissos com sua própria força de trabalho. Os agentes que continuam lotados nas tais UPPs estão sem estrutura, sem efetivo e sem atenção –e só continuam ali, expostos, porque nosso governador se recusa a admitir que –seja por falta de recursos, seja por problemas inerentes à própria política pública– o projeto falhou. Estamos usando esses agentes de bucha de canhão para evitar uma perda política para um governador lunático, que abre licitação para jatinhos em meio à falência do Estado. Se nossos policiais fossem filhos da elite carioca, e não provenientes de famílias humildes, a situação teria se tornado insustentável há tempos.

    Nossos policiais são também enxugadores de gelo profissionais, colocados para matar e morrer em nome de uma proibição insana. A guerra às drogas não faz mais nenhum sentido –não impede ninguém que quer consumir de consumir e deixa um mercado multimilionário na mão de máfias e gangues fortemente armadas e com ação paraestatal, dominando territórios inteiros. Mas a guerra às drogas dá muito dinheiro para muita gente, e se quem morre são apenas os pretos, pobres ou favelados, o custo político é baixo. Sobretudo porque, ao invés de imputar responsabilidade pelo caos a quem de fato a tem, estamos criando um espantalho, que distrai a população, a começar pelos próprios policiais: a tal "turma dos direitos humanos". Da qual (a bem da verdade e para não ludibriar o leitor), eu mesma faço parte. É um espantalho perfeito.

    Ao invés de olhar para a política de guerra às drogas, para a segregação do espaço público e marginalização da população favelada, para a crise de segurança como um todo, para os salários atrasados, para o governador e seus jatinhos, para Sérgio Cabral dormindo no ar-condicionado em Benfica ou Adriana Ancelmo em prisão domiciliar, para o "rei dos ônibus" solto por Gilmar Mendes, para o racismo estrutural, para a bancada da bala, para os governantes surdos, mudos e indiferentes, nossos policiais são ensinados a imputar a tragédia que os cerca –a perda absurda de vidas humanas, as crianças que vão crescer sem pais– aos defensores de direitos humanos. Aos que advogam por um controle externo da polícia, sim –porque uma polícia violenta jamais terá a confiança da população, colocando em risco sua própria efetividade e segurança–, mas que também advogam por uma política de segurança comprometida com a vida. A vida de todos, inclusive dos policiais que estão morrendo, aos montes, diante de nossa pouca indignação.

    Fotomontagem
    Clique na imagem e saiba as circunstâncias da morte de cada uma das 97 vítimas
    Clique na fotomontagem e saiba as circunstâncias da morte de cada um dos policiais
    alessandra orofino

    É economista, cofundadora da Rede Meu Rio e diretora da organização Nossas. Curadora do blog #AgoraÉQueSãoElas. Escreve às segundas, a cada duas semanas

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017