• Colunistas

    Tuesday, 17-Oct-2017 18:30:23 BRST
    Francisco Daudt

    Pela sobrevivência, estamos ora buscando a verdade, ora fugindo dela

    26/04/2017 02h00

    Bruno Santos - 22.abr.17/Folhapress
    Grupos participam da Marcha pela Ciência em várias cidades do mundo; em São Paulo, ela aconteceu em Pinheiros
    Grupos participam da Marcha pela Ciência em várias cidades do mundo; em SP, ela foi em Pinheiros

    "A realidade pode ser incômoda, mas é o único lugar onde se consegue um bife decente", disse Woody Allen, resumindo a relação conflituosa que nossa espécie tem com a verdade. Precisamos dela, mas frequentemente a rejeitamos.

    Tudo começou com a morte. Tão logo brotou no sapiens a percepção de que todos vão morrer –inclusive o próprio–, ele arranjou um jeito de dizer "não é bem assim, existe vida após a morte". E deixou o primeiro sinal de consciência registrado pela espécie, há cem mil anos: os ritos fúnebres.

    Fato é que os dois instintos que nos movem –a sobrevivência pessoal e a da espécie–, fazem com que lidemos com a realidade, ora buscando a verdade, ora fugindo dela. Vejamos o sexo: um provérbio português dos anos 1600 dizia que "juras de foder não são para crer". Esse negócio de "eu vou casar com você amanhã" deve ser bem verificado pela moça, pois as chances de o rapaz estar em franco desapreço pela verdade são muito grandes.

    No caso da sobrevivência pessoal, o processo de delação premiada é exemplar quanto ao jogo entre a verdade e o risco de mentir: o delator tem tudo a perder se estiver mentindo. Vai em cana, não ganha seu prêmio. Já o delatado tem tudo a ganhar, se sua mentira emplaca. É a velha questão do "cui prodest" (quem se beneficia?) latino, que serve de boa pista para se descobrir o culpado do crime. Ele se aplica à divisão política que o país vive: há um monte de gente com a postura de que "se os fatos contrariam as minhas crenças –ou meus interesses corporativos–, bem, danem-se os fatos".

    Outro exemplo é o "me engana que eu gosto". Ninguém quer ser trapaceado; já docemente enganado, até contratualmente, nós todos adoramos: quando vamos ver um filme, aplicamos o "suspension of disbelief", um acordo de suspensão da desconfiança para poder embarcar na ficção. De modo que, se aparecer um centurião romano de relógio, vamos ficar muito aborrecidos com esse chamado da realidade.

    E há o pensamento mágico: nossa sobrevivência pede um certo grau de controle (ou de ilusão de controle) sobre o mundo externo. É bom saber se vai chover na minha horta, e se eu puder controlar a chuva através de uma dança ritual (ou do cacique cobra-coral), eu a farei. Assisto passivo ao jogo de futebol, mas se pegar uma cerveja na geladeira pode ajudar o meu time a fazer gol (afinal, foi o que aconteceu no jogo passado), lá irei pegá-la.

    Milênios se passaram até que alguém humildemente admitiu sua ignorância: "Não sei por que isso acontece. Mas quero saber". Foi o embrião da ciência. Não é um assombro pensar que tal postura –como tendência mundial– tem apenas 600 anos?

    O que dizer das convicções dos filósofos realistas e idealistas frente a uma árvore que cai no meio do deserto sem testemunhas? Os realistas creem que a árvore faz barulho ao cair. Os idealistas, como julgam que a realidade só existe no mundo das ideias, creem que não, que ela cai em completo silêncio. Preciso dizer que sou realista?

    Neste tempo de pós-verdade, de relativismo, de "verdade de cada um", deixo claro aqui que nunca entrarei num avião construído por um engenheiro pós-moderno.

    www.franciscodaudt.com.br

    francisco daudt

    Psicanalista e médico, é autor de 'Onde Foi Que Eu Acertei?', entre outros livros. Escreve às quartas, a cada duas semanas.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017