• Colunistas

    Sunday, 19-Nov-2017 10:21:40 BRST
    Juca Kfouri

    No clássico contra o Palmeiras, deu para perceber coragem em Carille

    26/02/2017 02h00

    O PRIMEIRO dérbi no ano de seu centenário ficará marcado pelo erro e pela arrogância autoritária do assoprador de apito e pelo gol de Jô no fim para dar a surpreendente vitória ao Corinthians com 10 contra 11 palmeirenses.

    Mas o absurdo cometido pelo assoprador acabou por monopolizar os comentários pós-Dérbi e impediu que observasse uma característica promissora no jovem técnico alvinegro, Fábio Carille, 43.

    Escalar Kazim no lugar de Jô depois que o centroavante caiu nas graças da Fiel foi fácil.

    Apostar em Guilherme Arana também era esperado e não por acaso o Corinthians liberou Uendel com tanta facilidade.

    Mas, ao perder Camacho, que parece ter ganho a posição, Carille optou pelo jovem Maycon e deixou o experiente Fellipe Bastos de fora, além de escolher o também garoto Léo Jabá em vez de Marlone.

    Em começo de carreira, com um Corinthians e Palmeiras pela frente, seria de se apostar na formação mais experiente e segura. Mas não.

    O treinador preferiu botar sangue jovem e formado na base corintiana em busca de compensar, com garra e entendimento do que o Dérbi significa, a inferioridade técnica em relação rival. Que, por sinal, ao contrário, deu a sensação de não saber que jogo estava em jogo e deu mole ao imaginar que com um a mais venceria no segundo tempo naturalmente, sem forçar.

    Só mesmo Dudu disputou o clássico como era preciso, além de Vitor Hugo que, diferentemente de Gabriel, merecia ter sido expulso, porque cotovelada em adversários como deu em Pablo não é sinal de abnegação, mas de covardia.

    Já Keno deve ter aprendido que a honestidade é qualidade de quem é esperto, porque sua festiva colaboração para o erro do assoprador acabou por sair pela culatra. Se apontasse Maycon como o autor da falta teria evitado a expulsão de Gabriel e talvez, 11 contra 11, embora o Corinthians estivesse melhor no primeiro tempo, o segundo reservasse mais espaço para o Palmeiras e menos gana alvinegra motivada pela injustiça da situação.

    Os três pontos em disputa pelo Paulistinha nada significam, nem o resultado como projeção para o ano. Mas o clássico vale por si mesmo, é o de maior rivalidade em São Paulo, como mostrou o Datafolha.

    Enfim, vivemos mais um Dérbi para fazer história, dos que dão pano para manga dias após terminar.

    POLÊMICAS CENTENÁRIAS

    O excepcional caderno especial desta Folha sobre o centenário do Dérbi teve o mérito de mostrar que o bom e velho jornalismo com criatividade está vivo.

    Como é obrigatório, causou polêmicas ao escalar os melhores Corinthians e Palmeiras de todos os tempos e, principalmente, a seleção mista de ambos.

    Com todo respeito que merecem São Marcos, Rincón e Dudu, Gylmar dos Santos Neves, bicampeão mundial pela seleção brasileira e pelo Santos, é o melhor goleiro brasileiro da história; e Dino Sani, que jogou pelos dois clubes, era mais jogador que os brilhantes meio-campistas escolhidos.

    Só a juventude da maioria dos eleitores explica o tamanho da injustiça.

    Daí também existir quem imagine serem os geniais Maradona e Messi melhores que Pelé.

    Posso garantir que não são, porque, meninos, eu vi.

    Veja mais no especial "100 anos do clássico".

    juca kfouri

    Tem mais de 40 anos de profissão. É formado em ciências sociais pela USP. Escreve às segundas, quintas e domingos.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017