• Colunistas

    Friday, 20-Oct-2017 01:27:46 BRST
    Márcio Rachkorsky - Marcio Rachkorsky

    O sucesso das academias

    DE SÃO PAULO

    21/12/2014 01h30

    Os espaços comuns mais usados pelos moradores de condomínios neste ano foram as academias. Elas desbancaram as quadras, piscinas e brinquedotecas.

    É muito bom constatar que as pessoas estão se exercitando mais, e malhar no conforto de casa é uma opção extremamente prática, barata e confortável.

    Nos condomínios mais novos, geralmente, as construtoras já entregam um espaço equipado e o conceito de academia em casa já nasce com o empreendimento. Nos prédios mais antigos, os moradores nem sempre são bem atendidos.

    Para os condomínios que não têm academia, vale a pena um esforço dos moradores para a criação do espaço. É um trabalho árduo, mas o resultado final é fantástico e ainda gera valorização do patrimônio.

    O primeiro passo é achar um ambiente para montar a academia. Depois, é hora de elaborar projetos, discutir em assembleia, aprovar na prefeitura, fazer o rateio extraordinário, comprar equipamentos e definir as regras de uso.

    Para os condomínios que já possuem a estrutura, é preciso contratar uma empresa para manutenção preventiva e corretiva dos equipamentos, que devem ter a oferta ampliada (com aprovação em assembleia) conforme o aumento do público e investir em materiais funcionais, que são mais baratos e ocupam pouco espaço.

    Também deve-se afixar o regulamento interno e as instruções sobre o uso dos equipamentos em local visível, instalar aparelhos de som e TV e estender e flexibilizar o horário de utilização da academia, com aprovação em assembleia. Em relação à higienização, o condomínio deve limpar o ambiente com regularidade e disponibilizar paninhos e álcool para asseio dos aparelhos.

    Nos condomínios de grande porte, a melhor solução é a contratação de uma empresa de assessoria esportiva, que fica responsável por todas as atividades, inclusive com idosos e crianças. É importante debater o tema em assembleia e definir quais serviços serão incluídos nas despesas ordinárias e quais serão pay-per-use. E vale lembrar os moradores de que, antes de iniciar qualquer atividade, é imprescindível consultar o médico.

    márcio rachkorsky

    É advogado, especialista em condomínios. Presidente da Associação dos Síndicos de SP e membro da Comissão de Direito Urbanístico da OAB-SP. Escreve aos domingos,
    a cada duas semanas.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017