• Colunistas

    Monday, 18-Dec-2017 18:15:43 BRST
    Márcio Rachkorsky - Marcio Rachkorsky

    Cruzada para economizar água

    15/03/2015 01h30

    Síndicos e moradores de condomínios estão fazendo um esforço brutal para economizar água. Apesar de grandes consumidores, os condomínios estão colaborando bastante e os resultados são dignos de elogio. Nas áreas comuns, acabou a farra de lavar o pátio e regar jardins com mangueiras. Nos apartamentos, o desperdício foi substituído por medidas simples de economia.

    As contas baixaram, mas a crise hídrica não está nem perto de acabar. Ocorre que, no afã de acertar, muitos síndicos acabam exagerando e, de forma precipitada, adotam medidas abusivas e impopulares. Sábado passado, participei de um encontro da Assosindicos (Associação dos Síndicos do Estado de São Paulo) justamente para debater o papel dos síndicos na crise. As conclusões foram as seguintes:

    1) O síndico não pode e não deve decidir sozinho a suspensão do fornecimento de água durante algumas horas ou dias. Tal decisão deve ser tomada em assembleia, com participação dos moradores.

    2) Os condomínios podem e devem discutir a adoção de procedimentos no interior de todos os apartamentos, como instalação de redutor de pressão nas torneiras e chuveiros, troca dos "courinhos" das torneiras e inspeção para detectar vazamentos. O morador que não colaborar poderá ser advertido.

    3) A medição individualizada do consumo de água, com um hidrômetro para cada apartamento, é a forma mais justa e correta para que o morador consciente pague uma conta pequena e o morador "gastão" pague pelo desperdício. Mesmo em edifícios antigos, é tecnicamente possível fazer a medição individual, apesar dos custos maiores. Tudo deve ser aprovado em assembleia, com maioria simples dos presentes.

    4) Síndicos e administradores não podem relaxar e precisam manter campanhas ativas de conscientização dos moradores, com cartas, circulares e avisos nos elevadores.

    5) Medidas mais complexas e custosas devem ser estudadas, como obras para captação e armazenamento de água e poços artesianos.

    Para lamentar, temos a tímida atuação da Sabesp, que não incentiva e não oferece meios efetivos para a medição individualizada do consumo nos apartamentos.

    márcio rachkorsky

    É advogado, especialista em condomínios. Presidente da Associação dos Síndicos de SP e membro da Comissão de Direito Urbanístico da OAB-SP. Escreve aos domingos,
    a cada duas semanas.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017