• Colunistas

    Sunday, 03-Mar-2024 15:52:02 -03
    Mercado Aberto - Maria Cristina Frias

    Grupo italiano investe R$ 3,1 bilhões em plantas de energia solar no NE

    24/10/2016 02h59

    Raquel Cunha/Folhapress
    RIO DE JANEIRO - RJ 14.10.2016 - O engenheiro Carlo Zorzoli, 48, é o novo diretor do grupo energético italiano Enel no Brasil. Carlo conduziu ainda a entrada da Enel no México â€" onde foi Country Manager de 2008 a 2009 -, por meio da aquisição de usinas hidrelétricas. O executivo tem especialização em tecnologia de geração de energia e em planos de desenvolvimento de negócios. (Foto: Raquel Cunha/Folhapress, MERCADO) ***EXCLUSIVO***
    Carlo Zorzoli, principal executivo no Brasil da empresa de energia, no Rio

    Apesar da recessão, a italiana Enel mantém o investimento total de US$ 980 milhões (R$ 3,1 na cotação de hoje) em quatro plantas solares que somarão 807 MW de capacidade instalada no país.

    O aporte é de recursos próprios do grupo.

    Três parques solares fotovoltaicos estão em construção na Bahia e um no Piauí. A unidade de Nova Olinda (PI) é considerada a maior usina solar sendo erguida hoje na América Latina.

    Feitas pela subsidiária Enel Green Power Brasil Participações Ltda (EGPB), as quatro plantas poderão gerar no total 1,7 TWh ao ano, o suficiente para o consumo anual de energia de mais de 845 mil lares brasileiros.

    A EGPB tem atualmente uma capacidade instalada no país de 401 MW de energia eólica, 12 MW de energia solar fotovoltaica e 133 MW de energia hídrica.

    Com cerca de 6,8 milhões de clientes em distribuição de energia no Rio de Janeiro e no Ceará, a Enel viu os números piorarem no país com a deterioração da economia.

    "Foi uma tempestade perfeita: a inadimplência aumentou, o furto cresceu muito, especialmente no Rio, e caiu a demanda", diz o italiano Carlo Zorzoli, principal executivo do grupo no Brasil.

    A companhia participa do processo de análise do leilão de privatização da goiana Celg Distribuidora, que deverá ser publicado até o fim deste mês. A Eletrobras possui 51% da companhia e o governo de Goiás, 49%.

    A Enel afirma que "acompanha todo o mercado brasileiro" e que a decisão pelo investimento será definida pelo grupo na ocasião do leilão.

    RAIO-X

    R$ 10,2 bilhões
    é a receita líquida da Enel Brasil (não inclui EGPB)

    6,8 milhões
    de clientes em distribuição de energia no RJ e CE

    3.300
    colaboradores diretos

    € 34,15 bilhões
    (R$ 117,1 bi) foi o faturamento global no 1º semestre deste ano

    *

    Um toque de chilli

    A Algar Tech, empresa de tecnologia, acaba de iniciar sua operação no México. A decisão foi uma demanda dos clientes, segundo afirma o presidente, José Antonio Fechio.

    "Das empresas atendidas, 40% operam em diferentes países latinos." A companhia também tem sedes na Colômbia, na Argentina e no Chile.

    O Brasil, porém, representa 95% da receita. "O ritmo de expansão caiu, mas a alta se mantém." No segundo trimestre, a empresa faturou 7,2% a mais que no mesmo período do ano passado.

    R$ 905 milhões
    foi o faturamento em 2015

    *

    Fora da tomada

    O consumo de energia livre -em que empresas negociam os preços diretamente com as comercializadoras- continua a cair. Em setembro, houve retração de 3,04% em relação ao mesmo mês de 2015, aponta a Comerc.

    "A persistência da queda nos surpreendeu, e não há projeção de retomada", avalia o presidente da empresa, Cristopher Vlavianos.

    A indústria de embalagens, cujo desempenho reflete o dos demais setores, mantém queda de 3,1% no acumulado deste ano, ele destaca.

    *

    Penetras da ceia

    Os tributos são responsáveis por mais da metade do preço de alguns itens típicos das festas de fim de ano, como fogos de artifício (64,25%) e espumantes nacionais (58,27%).

    Outros produtos também têm tributação elevada, caso de enfeites e árvores de Natal (47,25%), além de pernil, chester e peru (33,36%), segundo a consultoria BDO.

    *

    Sala VIP

    Os passageiros das classes A e B no Brasil estão entre os que mais valorizam serviços em aeroportos, como rastreamento de bagagem, acesso à internet e saguão de espera VIP, aponta o Collinson Group.

    "É um potencial pouco explorado pelas empresas, que, com ações pequenas, podem criar diferenciais que serão valorizados", afirma o diretor-geral, Danilo Vasconcelos.

    Países emergentes como a Índia e a China têm perfil semelhante de exigência.

    O seguro de viagem, item mais valorizado no Brasil (95%), é considerado importante por 54% dos norte-americanos e 76% dos franceses.
    Foram entrevistados 6.125 passageiros de alto padrão em dez países.

    PRIORIDADES - Serviços considerados mais importantes para viajantes brasileiros das classes A e B, em %

    *

    Hora do café

    com FELIPE GUTIERREZ, TAÍS HIRATA e IGOR UTSUMI

    mercado aberto

    Maria Cristina Frias, jornalista, edita a coluna Mercado Aberto, sobre macroeconomia, negócios e vida empresarial.
    Escreve diariamente,
    exceto aos sábados.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2024