• Cotidiano

    Monday, 22-Jan-2018 13:59:41 BRST

    Atendimentos do Samu triplicam após aumento de velocidade nas marginais

    WILLIAM CARDOSO
    DO "AGORA"

    12/04/2017 14h35

    Rubens Cavallari/Folhapress
    Motorista espera resgate após acidente na marginal Pinheiros, em março deste ano
    Motorista espera resgate após acidente na marginal Pinheiros, em março deste ano

    O número de atendimentos a vítimas de acidentes pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) nas marginais Tietê e Pinheiros triplicou após o aumento das velocidades implantado pelo prefeito João Doria (PSDB), no dia 25 de janeiro.

    Dados obtidos pela reportagem por meio da Lei de Acesso à Informação, mostram que, entre 25 de janeiro e 10 de março deste ano, foram realizados 186 atendimentos pelo Samu nas duas marginais. No ano passado, no mesmo período, foram 65 casos. Houve um aumento de 186,2% (ou 2,9 vezes). Por ser bissexto, o ano passado ainda teve um dia a mais no período.

    Além do Samu, o Corpo de Bombeiros também faz esse tipo de atendimento na capital.

    OS ACIDENTES NAS MARGINAIS - Atendimentos feitos pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência)

    O aumento das velocidades nas pistas expressa, central e local, para 90 km/h, 70 km/h e 60 km/h, respectivamente, foi uma das promessas de campanha de Doria. A gestão Fernando Haddad (PT) havia reduzido os limites em 2015. Agora, só uma faixa das pistas locais continua a 50 km/h.

    Neste ano, como parte do programa Marginal Segura, foram destacadas quatro ambulâncias para atuar exclusivamente nas marginais. Anteriormente, os chamados eram atendidos por qualquer equipe que estivesse mais próxima do local de acidente.

    A marginal Tietê foi onde mais cresceu o número de atendimentos do Samu – houve houve um salto de 23 para 87 (278,3% de aumento, ou 3,8 vezes mais).

    Com relação ao horário, também quase quadruplicou o número de atendimento do Samu entre 10h e 17h, quando é possível desenvolver uma velocidade maior. Em 2016, no período analisado, foram 17 chamados. Neste ano, 62 (264,7%).

    No mesmo período no ano passado, o Samu prestou, no máximo, quatro atendimentos em um dia. Já neste ano, com os novos limites, as ambulâncias atenderam até 11 ocorrências em apenas um dia. Tanto em 2016 como neste ano, mais de 90% dos atendimentos foi de trauma leve.

    Período do dia -

    SOCORRISTAS

    Socorristas que trabalham no Samu na região das marginais Tietê e Pinheiros dizem que o volume de atendimentos voltou ao que era no período anterior à redução dos limites de velocidade.

    "Voltou ao normal, ou seja, ao que era antes de terem reduzido a velocidade máxima. Temos atendido muitos motoqueiros, principalmente na pista central", diz um deles, que pediu para não ser identificado.

    Outro afirma que há equipes com apenas um condutor e um auxiliar de enfermagem, o que seria insuficiente para atender os acidentes. Ele diz também que não foi feito um plano com rotas claras para se chegar rapidamente aos acidentados. "Vai da experiência do condutor, na raça. Esse plano foi uma promessa", diz.

    AUMENTO ESPERADO

    O aumento nos atendimentos a vítimas de acidentes nas marginais já era esperado por Dirceu Rodrigues Alves Júnior, diretor do Departamento de Medicina de Tráfego Ocupacional da Abramet (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego).

    Segundo o médico, a prefeitura optou por atender os pedidos de parte da população sem usar o que diz a ciência. "Qualquer aumento de velocidade gera aumento de óbitos, feridos e custos. É uma coisa a preocupar muito. Estamos lutando para preservar vidas", afirma.

    Segundo o diretor da Abramet, existe uma "doença epidêmica do trânsito", que só no ano passado matou 42 mil pessoas no Brasil. O custo estimado dos acidentes de trânsito no país é de R$ 52 bilhões ao ano.

    OUTRO LADO

    A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), órgão da gestão João Doria (PSDB), diz que o Programa Marginal Segura vai além da readequação da velocidade. Segundo a prefeitura, houve aumento de 45 para 75 marronzinhos por turno e, por isso, mais ocorrências passaram a ser atendidas.

    "É cedo para realizar qualquer tipo de comparação estatística sobre acidentes nas marginais, uma vez que os dados disponíveis não permitem esse tipo de conclusão", afirma, em nota.

    A prefeitura diz também não falta treinamento, que inclui planejamento de rotas. "Trata-se de uma capacitação obrigatória", diz. A gestão diz que a maioria das solicitações nas marginais é de vítimas estáveis e de baixa complexidade, o que exige suporte básico. Se necessário, há outros tipos de suporte.

    Edição impressa
    Agora

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2018