• Cotidiano

    Friday, 20-Oct-2017 10:39:50 BRST

    Desafiando preconceitos, modelo com 1,30 m se torna 'top' pela inclusão

    PEDRO DINIZ
    COLUNISTA DA FOLHA

    23/07/2017 02h00

    Marlene Bergamo/Folhapress
    Cris Oliveira, 33, que é modelo, gosta de vestidos colados e diz que faz o estilo 'periguete
    Cris Oliveira, 33, que é modelo, gosta de vestidos colados e diz que faz o estilo 'periguete'

    Cristiane Oliveira, 33, faz o tipo "mulherão". Seus 47 kg distribuídos em 1,30 m e as curvas proeminentes são motivos de orgulho e fazem sucesso em desfiles de moda.

    Nascida no interior da Bahia e radicada em São Paulo desde os nove anos, ela é um ser humano raro. A cada 20.000 pessoas, apenas uma nasce com nanismo –e menos ainda devem ser como ela, que além disso também é modelo, gestora de recursos humanos, ativista e consultora de moda.

    A deficiência congênita que aos poucos comprime as vértebras C3 e C2 não a impede de viajar muitos quilômetros de ônibus para subir numa passarela, "o momento em que posso ser eu mesma".

    Desde 2014, quando a convite de uma amiga, também pequena, viajou a Florianópolis (SC) para um concurso de moda, Cristiane virou top em seu meio. Alta para os padrões do nanismo, tem dois eventos até novembro.

    Arquivo Pessoal
    À esquerda, Cris participa, com outras modelos anãs, de ensaio com trajes de noiva
    À esquerda, Cris participa, com outras modelos anãs, de ensaio com trajes de noiva

    BELEZA

    Embora não ganhe R$ 1 com a profissão, Cris Oliveira, nome artístico, roda o país desafiando o preconceito que associa pequenos ao humor escrachado e à bizarrice dos números circenses.

    "Somos invisíveis para o governo, que não faz contagem dos pequenos, para as famílias, que preferem nos esconder, e para a moda, que não se preocupa em fazer nos sentirmos bonitos", diz.

    O problema da falta de padrão de medidas no país, que faz um tamanho "M" ser diferente de uma marca para outra, é ampliado em progressão geométrica para quem tem nanismo.

    "Nossas proporções são diferentes, os braços são mais curtos, as pernas e os glúteos mais cheios. Na grade de hoje nada fica bem. A moda ou nos veste como duendes –como uma estilista já pediu para eu desfilar– ou como sacos de batata. Nos ridicularizam, porque simplesmente não existimos para a maioria das pessoas", diz. "Não nasci para usar burca."

    Também não bastaria cortar as barras das calças. A modelagem de um par de jeans envolve, por exemplo, deixar a largura das coxas maior do que os joelhos ou a barra e garantir que padrões do tecido estejam no lugar certo. Camisas de manga longa e vestidos com decote têm o mesmo problema de proporção, e, por isso, muitas vezes, estão fora da maioria dos armários.

    Um dos poucos projetos criados para minimizar o problema é o curso de moda inclusiva promovido pelo Centro de Tecnologia e Inclusão da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo. É gratuito e a cada semestre a programação instrui mais de uma dezena de alunos.

    A falta de peças condizentes com o corpo pequeno promove um efeito "destruidor da autoestima". "Tem gente que nem sai de casa para socializar porque não tem roupa. A depressão é consequência, e isso mata mais do que se imagina. Conheci uma adolescente que de tão triste pegou pneumonia, morrendo logo depois."

    PEQUENA VAIDADE

    Uma das preocupações de Cris Oliveira é manter o nível de serotonina sempre elevado. Os mais de 3.000 amigos no Instagram, metade deles anões, os diversos grupos que cria no WhatsApp para conversar com iguais e um estojo de maquiagem invejável com vários batons vermelhos e rímeis ajudam na missão.

    Para sair à noite, prefere vestidos de elastano, como o que usou para a foto desta reportagem, sempre curtos "tipo Kim Kardashian".

    "Não vou negar, faço o estilo periguete. Adoro quando a barra do vestido sobe um pouquinho quando ando. Me sinto poderosa", afirma.

    A autoestima, "um pouco baqueada porque perdi meu emprego nesta crise e por isso parei o pilates, que ajudava nas minhas dores", melhorou quando o cearense José Nairton, 28, apareceu dando "likes" na internet.

    O namoro virtual virou real há mais de um ano e Nairton fez Cris vencer uma de suas poucas limitações. Ela nunca havia namorado um anão, porque só considerava se relacionar com homens de estatura baixa, mas com mais de 1,40 m –limite que separa o nanismo.

    "Não tinha desejo [por anões] por causa do meu próprio preconceito enrustido", conta. Hoje, Nairton mora na casa da modelo em Diadema, na Grande São Paulo. Eles se consideram casados, mesmo sem papéis, festa e grinalda. Pelo menos por enquanto.

    É que pouco antes de o casal se conhecer, Cris protagonizou um editorial de noivas e gostou do resultado.

    "Tá na hora de ele [o namorado] me levar no altar, né? Quero usar tomara-que-caia, branco e com cauda sereia. Tudo a que tenho direito."

    Edição impressa
    dias melhores

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017