• Equilíbrio e Saúde

    Tuesday, 22-Aug-2017 04:10:40 BRT

    Terapia experimental reverte câncer de próstata avançado

    CLÁUDIA COLLUCCI
    DE SÃO PAULO

    28/07/2017 02h00

    Science Photo Library
    Câncer de próstata é o mais comum em homens
    Câncer de próstata é o mais comum em homens

    Um tratamento experimental para tumor de próstata avançado reverteu a doença em dois pacientes que já tinham metástases e haviam sido submetidos a todas as terapias, como cirurgia, radioterapia e quimioterapia e hormônios, sem sucesso.

    A revelação consta em artigo publicado no "Journal of Nuclear Medicine" e vem causando alvoroço entre os médicos porque a terapia teria potencial de mudar a forma de tratar não só o tumor de próstata como outros tipos.

    A pesquisa, porém, está em fase muito inicial e há um longo caminho a ser percorrido até que o tratamento possa eventualmente chegar à prática clínica.

    Desenvolvida por pesquisadores alemães, a terapia (225Actínio-PSMA-617) envolve a aplicação de um radioisótopo (substância radioativa) guiado por exame de imagem (PET-CT). O composto "explode" as células tumorais. "Ele vira uma nanobomba nuclear", afirma o urologista Miguel Srougi, professor da USP e que acompanha a evolução do estudo.

    Srougi explica que as células do câncer de próstata produzem uma proteína chamada PSMA, que, uma vez fixada em um anticorpo, com ele constitui um composto, o qual, guiado pelo PET-CT, serve de veículo para levar a substância radioativa até o tumor.

    A pesquisa alemã está usando essa estratégia para transportar um radioisótopo mais potente (actínio 225) até as células cancerosas e destrui-las. "É uma forma revolucionária de administrar o tratamento", diz Henrique Rodrigues, do departamento de uro-oncologia da Sociedade Brasileira de Urologia.

    Um grupo de 80 pacientes recebeu a terapia e está sendo seguido há três anos.

    Segundo os autores do artigo, embora os resultados publicados sejam de apenas dois pacientes, há outros casos de respostas "completas e duradouras" que serão publicados futuramente.

    Nos casos descritos, após três e quatro sessões da terapia experimental, os valores do PSA (exame que detecta níveis aumentados de proteína produzida pela próstata e que aumenta nos casos de câncer) dos pacientes caíram abaixo do limite de detecção (0,1 ng/ml). Antes, os níveis superavam 3.000 ng/ml e 419 ng/ml, respectivamente.

    As imagens radiológicas também mostraram que as metástases, antes claramente visíveis, haviam desaparecido após a terapia.

    "Apesar das respostas clínicas, bioquímicas e radiológicas importantes e animadoras, o que vai determinar se o tratamento chegará ou não ao uso clínico será um real aumento da sobrevida desses pacientes", diz Rodrigues.
    Até a publicação do estudo, que ocorreu dois anos após o início do seguimento do primeiro caso, ambos os pacientes permaneciam em boas condições. Eles continuam sendo observados. Antes da terapia, a expectativa de vida era de dois a quatro meses.

    EFICÁCIA E SEGURANÇA

    No artigo, os pesquisadores afirmam que a dose do composto usado no tratamento demonstra ser segura e eficaz e que o único efeito colateral verificado até o momento foi xerostomia (boca seca em razão da destruição
    das glândulas salivares).

    Para Álvaro Nagib Atallah, professor de medicina baseada em evidência da Unifesp e diretor brasileiro do Cochrane Centre, serão necessários estudos controlados de mais dezenas de outros casos para que se possa afirmar algo sobre a eficácia, a efetividade, a eficiência e a segurança do tratamento.

    "Os próprios autores dizem que não se pode ter certeza de que não restaram células cancerosas viáveis não detectadas pelo exame de imagem, mas não se pode negar que essa seja uma boa esperança para a ciência e para milhares de pessoas hoje e no futuro."

    Segundo Srougi, após a publicação do artigo, o grupo relatou já ter chegado a uma dose ideal de actínio capaz de destruir o tumor sem ser tão tóxica às glândulas salivares.

    A esperança, explica o médico, é que essa terapia, uma vez aprovada, possa ser usada no futuro em fases mais precoces do câncer.

    "Ela tem potencial de ser uma grande transformação na área terapêutica do câncer. Em vez de fazer químio, que ataca todas as células, você terá esses tratamentos com substâncias radioativas que vão direto às células doentes."

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017