• Ilustrada

    Tuesday, 27-Jun-2017 05:48:08 BRT

    TV Cultura censurou crítica a Doria e Alckmin para 'evitar polarizações'

    AMANDA NOGUEIRA
    DE SÃO PAULO

    19/04/2017 21h58

    A TV Cultura afirmou, em uma nota enviada à imprensa na noite desta quarta-feira (19), que censurou parte da apresentação da banda Aláfia no programa "Cultura Livre" para "evitar polarizações". Na atração, o grupo fez críticas ao prefeito de São Paulo, João Doria, e ao governador paulista, Geraldo Alckmin. Ambos são do PSDB.

    Administrada pelo governo de São Paulo, a TV Cultura disse ter cortado o trecho para "não difundir ideias ou fatos que incentivem a polarização, independentemente do indivíduo a quem esse discurso se destina".

    A emissora afirmou ainda que não utiliza "programação de arte e cultura para fins partidários".

    Segundo o canal, o debate político fica limitado às atrações do núcleo de jornalismo. Os vídeos da apresentação foram retirados do canal da emissora no YouTube.

    "Liga nas de cem que trinca/ Nas pedra que brilha/ Na noite que finca as garra/ SP é fio de navalha/ O pior do ruim/ Doria, Alckmin/ Não encosta em mim, playboy/ Eu sei que tu quer o meu fim", dizia o trecho retirado na edição.

    Ze Carlos Barretta/Folhapress
    Roberta Martinelli, apresentadora do programa 'Cultura Livre', da TV Cultura
    Roberta Martinelli, apresentadora do programa 'Cultura Livre', da TV Cultura

    A declaração da TV Cultura contradiz o posicionamento que a apresentadora Roberta Martinelli, do "Cultura Livre", afirma ter recebido após questionar a censura.

    "A conversa que a gente teve foi sobre o que ia fazer daqui pra frente, falei que minha estadia na TV Cultura está condicionada a esta liberdade e que vou continuar lá enquanto o programa continuar livre", disse Martinelli à Folha. "Eles se comprometeram a não interferir em nada".

    A apresentadora afirma que deixará a emissora caso algo similar ocorra novamente: "será o fim da 'Cultura Livre' e o fim da minha estadia na TV Cultura". "Acho que arte e política há muito tempo andam juntas e é difícil separar as duas coisas".

    "Existe uma polarização política e questões que a gente vive no Brasil, mais canções de protesto vão surgir, não vai dar para a gente impedir e eu não vou fazer esse papel nunca", afirma. "Quando a liberdade acabar, eu procuro algum lugar em que eu possa fazer as coisas da maneira que eu acredito".

    *

    Leia a íntegra do comunicado:

    A TV Cultura é uma emissora pública pertencente a todos os cidadãos. Assim, carregamos em nosso estatuto o dever de não utilizarmos nossa programação de arte e cultura para fins partidários, limitando esse debate ao núcleo de jornalismo. Seguimos essa lógica na busca constante pelo equilíbrio entre as diferentes narrativas e, acima de tudo, com independência editorial. Mais do que isso, temos a constante preocupação de não difundir ideias ou fatos que incentivem a polarização, independentemente do indivíduo a quem esse discurso se destina.

    Para atender aos princípios citados acima, a TV Cultura levou ao ar na madrugada do dia 11 de abril o programa Cultura Livre com a banda Aláfia e realizou uma edição na música Liga nas de Cem. A emissora valoriza a liberdade de expressão e lamenta a polêmica gerada em torno desta ação.

    Reiteramos que o Cultura Livre é, desde 2011, um programa cultural e musical que se propõe a revelar novas bandas da cena independente brasileira. Seguiremos firmes neste propósito sempre com o intuito de oferecer ao público entretenimento de qualidade e aos artistas um espaço aberto para divulgar sua arte.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017