• Ilustrada

    Monday, 18-Dec-2017 01:18:29 BRST

    Kazuo Ishiguro, autor de 'Os Vestígios do Dia', ganha Nobel de Literatura

    MAURÍCIO MEIRELES
    COLUNISTA DA FOLHA

    05/10/2017 08h03

    Andrew Testa/The New York Times
    Kazuo Ishiguro, a novelist, in Chipping Campden, England, Jan. 26, 2015. Ishiguroâ€s new novel, â€The Buried Giant,†is the riskiest and most ambitious venture of his celebrated career, a return to his hallmark themes of memory and loss, set in a ogre- and pixie-populated ancient England. â€I donâ€t know whatâ€s going to happen,†Ishiguro said. â€Will readers follow me into this?†(Andrew Testa/The New York Times) ORG XMIT: XNYT109 ***DIREITOS RESERVADOS. NÃO PUBLICAR SEM AUTORIZAÇÃO DO DETENTOR DOS DIREITOS AUTORAIS E DE IMAGEM***
    O escritor Kazuo Ishiguro

    O escritor nipo-britânico Kazuo Ishiguro, 62, foi anunciado, na manhã desta quinta (5), no horário de Brasília, como o ganhador do prêmio Nobel de Literatura deste ano.

    O autor, um dos prosadores contemporâneos mais aclamados, tem publicados no Brasil livros como "O Gigante Enterrado", "Não me Abandone Jamais" e "Os Vestígios do Dia", que saem no país pela Companhia das Letras.

    Vestígios Do Dia
    Kazuo Ishiguro
    l
    Comprar

    "Vestígios..." já havia rendido ao autor o Man Booker Prize, outro dos grandes prêmios internacionais de literatura, em 1989. Sua editora no Brasil agora vai reimprimir "Quando Éramos Órfãos", fora de catálogo, com uma nova capa.

    O autor reuniu a imprensa em sua casa, em Londres, para uma entrevista coletiva, na manhã desta quinta. Ele disse ter pensado, ao receber a notícia por meio de sua agência literária, que era "fake news".

    "Pensei que era boato", afirmou, sentado em um banco no seu quintal. "Uma hora, uma moça muito gentil da Suécia me ligou e perguntou, antes de tudo, se eu aceitaria o prêmio. Fiquei surpreso com como eles [da Academia Sueca] foram modestos. Era como se eles estivessem me convidando para uma festa e tivessem medo que eu recusasse o convite."

    O anúncio foi dado por Sara Danius, secretária permanente da Academia Sueca, instituição que concede o prêmio. Ela destacou que a obra de Ishiguro tem "grande força emocional" e "desvendou o abismo sob nossa sensação ilusório da conexão com o mundo".

    Ela descreveu ainda o trabalho do autor como uma mistura de Jane Austen e Franz Kafka. "Mas é preciso acrescentar um pouco de Marcel Proust, misturar, mas não muito, e então se chega à escrita dele", disse.

    Danius afirmou ainda que, contudo, diferentemente de Proust, o autor não está interessado no resgate do passado, mas em explorar o que é preciso esquecer para sobreviver —não só no plano individual, mas também social.

    Depois de premiar uma jornalista, em 2015, e um compositor, em 2016 —escolhas vistas como ousadas—, a Academia volta a escolher um escritor no sentido tradicional da palavra. Salman Rushdie, amigo do premiado, em entrevista ao jornal "The Guardian", ainda brincou com a escolha: "E ele ainda toca violão e compõe músicas. Passou por cima do Bob Dylan".

    Ishiguro, que trabalhou como músico na juventude e ainda compõe, tem parcerias famosas com a cantora de jazz Stacey Kent. Seu ídolo era —ironicamente— Dylan, além de Leonard Cohen e Joni Mitchell.

    Nascido em Nagasaki, no Japão, ele se mudou com a família aos cinco anos, nos anos 1960, para o Reino Unido —e só voltaria a seu país de origem 30 anos depois. Não à toa, sua obra é escrita em inglês. Depois de trabalhar como músico, no começo da carreira, ele estudou letras e filosofia. Depois, faria um mestrado em escrita criativa.

    Como em outros anos, as casas de apostas erraram. Ishiguro não era o favorito das listas, que incluíam Ngugi wa Thiong'o, Haruki Murakami e Margaret Atwood, entre outros. Ele receberá como prêmio 9 milhões de coroas suecas (R$ 3,5 milhões).

    Em entrevista à Folha, no lançamento de "Quando Éramos Órfãos", Ishiguro lembrou uma visita ao Brasil, nos anos 1990, e falou do seu fascínio pelo conceito de "geto" —ou jeito, o jeitinho brasileiro. O livro lançado na época, dizia, era motivado pela noção brasileira de "soldado" (saudade).

    "A nostalgia que os portugueses tinham de Portugal quando estavam no Brasil e a que eles sentiam do Brasil quando em Portugal. Em 'Quando Éramos Órfãos' quero mostrar esse sentimento."

    Ishiguro se interessou pela literatura quando tinha cerca de dez anos, quando passou a ler obsessivamente as histórias de Sherlock Holmes. Fazia os colegas rirem, porque tentava imitar o comportamento dos personagens —e até usava o mesmo jeito de falar. Seu primeiro livro, "Um Pálida Visão dos Montes" (Rocco), foi publicado em 1982.

    O autor fez parte de uma geração que hoje ocupa lugar central na literatura produzida no Reino Unido. Ele estava no grupo selecionado, em 1983, pela "Granta", uma das grandes revistas literárias do mundo, como os melhores jovens escritores britânicos —na lista estavam figuras como Ian McEwan, Salman Rushdie e Martin Amis.

    Seu auge chegou logo depois, em 1989, quando ganhou o Man Booker Prize por "Os Vestígios do Dia". O romance traz um mordomo que recorda três décadas de serviço a um lorde britânico, revelando aspectos sombrios da história do ex-patrão, como a simpatia pelo nazismo.

    Ishiguro é conhecido por passear por vários gêneros literários, como o romance policial, o faroeste, ficção científica e a fantasia. Seu último livro, "O Gigante Enterrado", se filia a esse último gênero.

    *

    Livros publicados no país

    - "Os Vestígios do Dia"
    Um mordomo à moda antiga se ressente pela decadência da aristocracia britânica no entreguerras e pelo fato de ter um novo patrão que não dá a mínima para o emaranhado de rituais que orientam sua vida.

    - "Não me Abandone Jamais"
    Triângulo amoroso se passa em um internato onde todos os "alunos" são clones, produzidos com a única finalidade de servir de peças de reposição (no caso, seus órgãos).

    - "O Gigante Enterrado"
    Obra trata de um velho casal que viaja por uma paisagem traiçoeira e sem lei para tentar encontrar seu filho, enquanto tateiam a névoa do esquecimento que parece ter se abatido sobre a terra devido a uma maldição.

    - "Noturnos"
    Nas cinco histórias há música e cair da noite a enquadrá-las cenograficamente. Mas o verdadeiro tema comum apenas se revela se o título for também tomado, metaforicamente, como alusão ao momento de esfriamento das esperanças de o talento naturalmente se ajustar ao sucesso, cujas condições se descobrem aleatórias, injustas e, por vezes, ridículas.

    - "Quando Éramos Órfãos"
    O livro fala sobre o poder do passado de determinar o presente através da história de Christopher Banks, um garoto que fica órfão aos nove anos de idade. Vinte anos depois, ele se torna um detetive e resolve rever Xangai, palco da guerra entre China e Japão, fazendo com que sua busca pelos pais seja confundida com a busca pela ordem no mundo.

    - "O Desconsolado"
    O renomado pianista Ryder viaja para uma pequena cidade do leste europeu para um concerto. Lá, ele se envolve em uma briga entre o violoncelista Christoff e o maestro bêbado Brodsky, e em todos os lamentos dos moradores locais que desabafam frustrações e sonhos com o pianista.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017