• Ilustrada

    Sunday, 19-Nov-2017 08:04:38 BRST

    DW

    A inteligência artificial vai mudar o futuro da música?

    DA DEUTSCHE WELLE

    23/10/2017 18h43

    Neste ano, a cantora e youtuber Taryn Southern celebrou o lançamento do seu álbum pop "I AM AI", que foi produzido inteiramente com um software de inteligência artificial (AI, na sigla em inglês). Ela usou um programa chamado Amper, um gerador de música open source.

    Após fornecer informações como duração, tempo e chave, Southern deixou que o software fizesse a composição e a produção. Depois ela reorganizou as várias partes fornecidas para criar uma música estruturada. Sua estreia foi saudada como o "primeiro álbum produzido inteiramente com um software de inteligência artificial".

    Parte de uma nova onda de composição de música AI e startups de produção como Jukeeck, Groov.AI e Humtap, o Amper é um serviço on-demand, que oferece músicas originais baratas e sem royalties para todos, de cineastas a anunciantes.

    Taryn Southern

    Como muitas tecnologias revolucionárias, a inteligência artificial gera receios de ruptura e redundância. Para compositores e produtores independentes que criam música original para o mercado publicitário, por exemplo, um aplicativo que pode fazer o mesmo trabalho em um prazo menor e por menos dinheiro é uma perspectiva assustadora.

    John Groves, diretor da Groves Sound Communications e um peso-pesado internacional em termos de música para fins comerciais, não está preocupado com a possibilidade de se tornar redundante. Na verdade, ele disse estar "muito animado" com o avanço da inteligência artificial.

    "Isso irá causar arrepios na nossa indústria", disse. "Mas temos que dar uma olhada no ritmo e perceber que as novas possibilidades superam os efeitos disruptivos."

    Já Nick Collins – autor de uma série de livros sobre música e cofundador da Chord Punch, uma gravadora independente que lança trabalhos com base em algoritmos – lembra antigos temores da indústria musical em relação a novas tecnologias.

    "É como o sindicato dos músicos que protestou contra a chegada do MIDI (Interface Digital de Instrumentos Musicais) na década de 1980", observou. "Olhe para todas as possibilidades criativas que surgiram a partir dessa tecnologia."

    Valerio Velardo, diretor da Melodrive, startup pioneira da área de música dinâmica para videogames (trilhas sonoras que mudam de acordo com eventos no jogo), afirmou que o mundo está às vésperas da "próxima onda de democratização" dentro das indústrias criativas.

    "Hoje em dia todos têm uma câmera digital de alta qualidade em seu telefone, mas isso não significa que os fotógrafos profissionais tenham desaparecido", disse ele. "Acho que será o mesmo com a AI. Duvido que o papel do compositor será prejudicado por esta tecnologia."

    picture alliance / dpa / Emily Wabitsch
    Especialistas apontam novas possibilidades na música com inteligência artificial
    Especialistas apontam novas possibilidades na música com inteligência artificial

    COMPUTADORES CRIATIVOS

    Mesmo assim, a estreia bem-sucedida da AI dentro da indústria da música pop desafia os preceitos comuns, em especial o de que a imaginação artística e a criatividade são traços inerentemente humanos, que não podem ser reproduzidos por computadores.

    "A música representa um desafio", disse à DW Steven Jan, pesquisador de música da Universidade de Huddersfield. "É uma das exigências mais cognitivas, mecânicas e emocionais de todas as atividades humanas, o que dificulta sua criação por um computador. É a última fronteira da AI."

    "Ainda estamos em uma fase de criatividade exploratória", disse Velardo, referindo-se à forma como os sistemas AI são capazes de aprender e operar de forma criativa dentro dos limites de um espaço conceitual e, em última instância, imitar estilos de música estabelecidos.

    Até o momento, no entanto, a criatividade transformadora, ou a capacidade de criar novos estilos musicais além desses limites conceituais, permanece fora do alcance. Velardo chama isso de "o santo graal da criatividade computacional".

    SOM HUMANO

    Então como a AI afetará a indústria da musical? Será que ela levará a uma maior previsibilidade na música? Collins diz que não, ressaltando que há "um número suficiente de programadores trabalhando em diferentes projetos para criar um ambiente diversificado".

    A incorporação de computadores ao processo criativo já permitiu a quebra das divisões de trabalho entre compositores e intérpretes. Embora o advento da música eletrônica e de diferentes softwares já tenham provocado uma enorme onda de democratização do processo de criação, a AI poderia levar esse processo um passo além.

    Mas o artista desaparecerá? Pascal Pilon, diretor da Landr, uma startup que usa big data e machine learning (aprendizado automático) para automatizar o processo final de produção musical conhecido como masterização, não pensa assim.

    "Música é contar histórias, gostamos da personalidade do artista. Não acho que as pessoas vão querer ouvir música feita exclusivamente por computadores", disse ele.

    De fato, a maioria das pessoas que desenvolvem essas tecnologias são compositores. O artista audiovisual e compositor eletrônico vanguardista Ash Koosha disse ao jornal The Guardian: "Estou tentando preparar música digital de uma maneira que ela não perca os valores humanos e não resulte não caminhe numa direção em que você simplesmente deixa a máquina decidir o que é música."

    O musicólogo John Blacking escreveu de maneira semelhante em seu livro How Musical Is Man? (sem tradução no Brasil) que a música é, em última instância, "o som humanamente organizado".

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017