• Ilustríssima

    Sunday, 19-Nov-2017 02:53:19 BRST

    Forte presença feminina e negra pode melhorar Flip, escreve curadora

    JOSELIA AGUIAR
    ilustração JAN LIMPENS

    23/07/2017 02h00

    Keiny Andrade - 1.jul.2017/Folhapress
    Artista visual VJ Suave projeta ilustrações nos muros de Paraty durante Flip
    Artista visual VJ Suave projeta ilustrações nos muros de Paraty durante Flip

    RESUMO Curadora da Flip explica as escolhas que fez para o evento deste ano, que começa na quarta (26). Afirma que a homenagem a Lima Barreto reforçou sua disposição de buscar o que estava fora do centro, baseada na ideia de que os choques culturais são maiores num ambiente diverso, o que contribui para ampliar a qualidade.

    Jan Limpens

    Quando assumi a curadoria da 15ª Flip (Festa Literária Internacional de Paraty), de início evitei pensar em autores preferidos ou nos imediatamente lembrados em conversas informais ou de trabalho que passei a ter. A primeira lista que fiz para pesquisar os possíveis convidados incluía gente de quem ouvira falar e ainda pouco conhecia –como Edimilson de Almeida Pereira, poeta negro de Juiz de Fora que, sem atenção da grande imprensa, era elogiado por seus pares.

    Com ajuda do Google, encontrei o site de sua editora, a Mazza. Pediram meu endereço na resposta que me enviaram por e-mail. Não havia se passado uma semana quando uma amiga me telefonou de Minas Gerais. Tinha participado de uma banca e saíra animada com a tese que investigava matrizes africanas em poéticas brasileiras. O autor não era outro senão o poeta que eu tinha procurado pela internet.

    A coincidência me levou a escrever para o próprio, a fim de lhe pedir uma cópia em PDF. "Foi um doutorado?", quis saber. "Não, uma defesa para me tornar professor titular." Uma caixa de livros da Mazza chegou pelo correio pouco depois. Dentro, dezenas de obras de sua autoria ou em coautoria, entre poesia, ensaio e infantis.

    A escolha de Lima Barreto (1881-1922) como autor homenageado em 2017 reforçou minha disposição de buscar o que estava fora do centro. Tomei-lhe como guia na direção dos subúrbios –não apenas o do Rio de Janeiro em que ele viveu mas também os do mundo–, e foi assim que encontrei línguas, culturas e mitos no Piauí, na Jamaica, em Ruanda e na Islândia, obras que cruzam fronteiras étnico-raciais, geopolíticas e de linguagem.

    A minha diligência foi garantir paridade –no total, 22 homens, 24 mulheres– e ter maior número de autores e autoras negros, percentual que chegou a 30%. Essas somas obtive após o esforço de combinar nomes de diferentes origens, gêneros, tonalidades e gerações, baseada na ideia, corrente em universidades estrangeiras, de que os choques culturais são maiores num ambiente diverso, o que pode contribuir para ampliar a qualidade. Juntá-los em duplas e trios para compor as mesas levou-me à operação seguinte: identificar afinidades e influências em comum, pontos de contato e semelhanças em sua arte e atuação.

    OUTRO DESAFIO

    A atividade do curador de uma festa literária tem parentesco com a do crítico. No entanto, se este último elege uma teoria ou departamento para filiar-se, na linha do formalismo ou dos estudos pós-coloniais, na de Bloom ou Foucault, ao primeiro o que importa é localizar o que há de interessante e relevante para levantar debates novos e mesmo inusitados.

    A plateia não é necessariamente constituída por leitor especializado; se é leitor especializado, provavelmente quer encontrar a experiência de uma festa literária, não aquela da universidade.

    Escolher Lima Barreto como homenageado me ofereceu outro desafio. A questão racial, que colocou em primeiro plano em sua obra, deveria ocupar a grade deste ano sem que se perdesse de vista que fora escolhido pelo escritor que era e continua a ser. Diversas vezes em seus diários ou em entrevistas tinha dito que desejava a glória literária.

    A diferença de cor não poderia, mais uma vez e postumamente, prevalecer nas discussões a ponto de impedir que se contemplasse a força do que produziu.

    Entendi que não poderia aprisionar quem escreve dentro de uma expectativa; estariam livres para participar como bem lhes aprouvesse. Tanto Lima Barreto quanto os autores e autoras negros deste ano são vistos em sua individualidade de artistas, cada qual com sua obra e trajetória, muitas vezes com perspectivas diferentes –em certos casos, sobretudo quando se trata de um estrangeiro, nota-se a preocupação em saber por que foi convocado, pois não quer correr o risco de falar apenas da questão racial.

    De fato há um centro, e é o próprio Lima Barreto, com as tantas aberturas que sua obra permite. Chegam a Paraty na quarta-feira, dia 26, e ficam até o domingo, dia 30, autores que exercem o ofício em todas as formas praticadas pelo homenageado, abordando muitas das questões que o inquietavam e com posturas próximas da que teve.

    Parece óbvio que uma festa literária tenha literatura. No entanto, a fim de atrair maior cobertura da mídia, com frequência se recorre a discussões mais diretamente relacionadas ao noticiário "quente", como se diz no jargão jornalístico. Troca-se literatura por audiência, para desastre de muitos projetos que poderiam contribuir para formar leitores –necessidade tão grande para o país quanto o combate à desigualdade.

    A atual crise no Brasil foi aventada não só como fonte de pautas mas também como possível justificativa para trazer famosos capazes de atrair público, evitando encalhe de ingressos.

    De novo, a escolha foi outra. Confiava que leitores habituais não deixariam de reagir com curiosidade diante da oferta de grande literatura mesmo em meio a situação econômica desfavorável. E, se é para atraí-los, o melhor é fazer diferente.

    Não significa que tenhamos menos estrelas em 2017. Nesse quesito, por onde começar? Marlon James e Paul Beatty são vencedores do prêmio Man Booker (principal da língua inglesa). William Finnegan levou o Pulitzer (concedido a trabalhos de excelência em diversas áreas, como jornalismo e literatura). Scholastique Mukasonga ganhou o Renaudot (um dos principais prêmios de língua francesa).

    Os arquivos de Diamela Eltit já estão em Princeton, e quando publiquei nas redes sociais a confirmação de Conceição Evaristo, um amigo do circuito acadêmico Lisboa-Harvard me escreveu pedindo ajuda para entrar em contato com a autora, que não respondia a e-mails nos ele quais solicitava autorização para mais uma edição no exterior do "Ponciá Vicêncio".

    Sjón concorreu ao Oscar (pela trilha de "Dançando no Escuro", de Lars von Trier), Carlos Nader venceu três vezes o Festival É Tudo Verdade. Luaty Beirão recebeu o prêmio Engel-du Tertre da Fundação ACAT (ação dos cristãos pelo fim da tortura), que agracia indivíduos pela coragem na luta pela dignidade humana. Distinções distintas.

    MAIS QUE LITERATURA

    Em conexão com outras artes, há gente também da música, do teatro e do cinema. Da sessão de abertura às "pílulas" –pequenos vídeos antes das mesas–, buscou-se uma feição mais artística.

    Novidade deste ano, a série Fruto Estranho inaugura as formas híbridas na Flip. Será um conjunto de seis intervenções antes de seis mesas, duas por dia, com duração de 15 minutos cada uma, entre poema digital, videopoema e performance.

    A poesia e os poetas encontram-se desta vez distribuídos por todos os cinco dias, e não isolados numa mesa. Da poesia clássica ao verbivocovisual, do haikai ao slam, de letras para trilhas de filme aos documentários sobre poetas, de Safo a Waly Salomão.

    Estão reunidos poetas para falar de poesia, ler sua própria poesia e traduções de poesia; poetas para debater escrita poética, cânone, poesia e ativismo, letras de música e literatura infantil. Exercem a poesia como poetas-tradutores, poetas-performers, poetas-romancistas, romancistas-poetas, letristas-romancistas, letristas-ativistas, poetas-ensaístas.

    A presença das editoras independentes vem crescendo ano a ano. Em 2017, como houve procura da curadoria por autores e autoras que se localizassem fora do centro ou tivessem uma obra mais experimental, surgiu ainda mais oportunidade para novas editoras como a Demônio Negro, a Não Editora, a Nós e a Relicário, ou aquelas com décadas de existência, como a Mazza.

    Estrangeiros ainda não traduzidos no Brasil puderam ser contemplados pelas independentes. Confirmado um convite, o editor do exterior procurou quem pudesse publicar seu autor no Brasil. Uma editora de maior porte, com planejamentos de dois ou três anos, nem sempre consegue absorver tão rapidamente a demanda de traduzir e mandar para a gráfica um livro que apareça de repente.

    Comparecer a uma festa literária por vezes exige gastos de viagem que dificultam a composição de uma plateia mais diversa. Ainda assim, 2017 tem novos ares também nessa frente.

    A poucos dias da abertura, há notícias de sites e coletivos negros articulando-se para fazer a cobertura, um grupo de autoras negras de campos diversos planeja estar na cidade para o lançamento do catálogo "Intelectuais Negras: Visíveis", coordenado por Giovana Xavier (UFRJ), e a novata editora afro-brasileira Malê pela primeira vez monta eventos paralelos.

    Autônoma no mercado editorial, a Flip serve de referência e não deixa de ser espaço para que seus convidados também possam vender livros. Convocado para duas mesas e dois saraus, Edimilson de Almeida Pereira, por exemplo, lançará três novos: um de poemas, "qvasi", pela Editora 34, e dois de ensaios, "A Saliva da Fala" e "Orfe(x)u Exunouveau", ambos pela Azougue.

    JOSELIA AGUIAR é jornalista, doutoranda em história e curadora da 15ª Flip.

    JAN LIMPENS, 47, é ilustrador e quadrinista (limpens.com).

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017