• Mercado

    Saturday, 16-Dec-2017 12:47:13 BRST

    Após aumento de multa, greve de caminhoneiros perde força no Brasil

    DE SÃO PAULO

    11/11/2015 10h14 - Atualizado às 18h42

    Caminhoneiros iniciaram nesta quarta-feira (11) o terceiro dia de greve com um número menor de protestos registrados pelo país. As manifestações perderam força ao longo do dia, de acordo com boletim da PRF (Polícia Rodoviária Federal).

    Às 18h, balanço da PRF mostra que há sete protestos em rodovias federais de quatro Estados por conta das manifestações de caminhoneiros. São três interdições parciais (passam apenas carros, ônibus e ambulâncias) e quatro atos sem bloqueio.

    Os bloqueios parciais são em Mato Grosso –Diamantino (BR-364) e Nova Mutum (BR-163)– e no Paraná –na cidade de Guarapuava (BR-277).

    Os quatro protestos sem interdição acontecem em Mato Grosso do Sul –Rio Brilhante e Sidrolândia– e no Rio Grande do Sul –Santa Rosa e Porto Xavier.

    Em uma tentativa de desestimular a greve, o governo federal aumentou as multas e sanções a motoristas que obstruírem deliberadamente as rodovias e estradas do país.

    Entretanto, de acordo com a PRF, não há registros de multa por bloqueio de estradas nas manifestações desta semana.

    Locais bloqueados por caminhoneiros

    PROTESTOS

    A categoria iniciou a greve nesta segunda (9) após não entrar em acordo com o governo federal em relação às suas reivindicações. A adesão atingiu ao menos 14 Estados do país no primeiro dia e 9 no segundo.

    Um dos líderes do CNT (Comando Nacional dos Transportes), movimento que lidera protestos pelo país, Ivar Schmidt, considerou positivo o início da greve.

    Greve dos caminhoneiros
    Protestos bloqueiam rodovias do país
    Caminhoneiros entram em greve e bloqueiam rodovias

    Ele esperava que o movimento ganhasse mais adesões, mas disse que sua continuação dependia do apoio da população à sua pauta principal, que é a retirada da presidente Dilma Rousseff do governo. No entanto, entre o primeiro e o segundo dia, os protestos perderam fôlego.

    Entre as reivindicações secundárias, estão os pedidos de redução do preço do óleo diesel, a criação do frete mínimo (este o governo reconhece que não conseguiu atender), salário unificado em todo o país e a liberação de crédito com juros subsidiados no valor de R$ 50 mil para transportadores autônomos.

    O grupo também quer ajuda federal para refinanciamento de dívidas de compra de seus veículos.

    POSIÇÃO DO GOVERNO

    O Planalto alega que atendeu a maior parte das reivindicações da categoria que, em abril, fez sua última paralisação do ano.

    Oficialmente, os ministros José Eduardo Cardozo (Justiça) e Edinho Silva (Comunicação Social), integrantes do gabinete de crise montado pelo Planalto para acompanhar a greve, foram para o embate com os manifestantes.

    Para o ministro José Eduardo Cardozo (Justiça), "o movimento teve um claro refluxo". Na tarde de hoje, ele defendeu o direito de manifestação, mas argumentou que "ninguém tem o direito de se manifestar trazendo prejuízo à sociedade", citando como exemplo a distribuição de alimentos e medicamentos pelo país.

    Questionado sobre a aprovação de medida provisória que aumentou as multas e sanções a motoristas que participem das interdições, Cardozo se mostrou otimista. "Tenho absoluta convicção de que deputados e senadores vão compreender o que levou o governo a agir dessa forma".

    O movimento é "claramente político", disse. "Aí não tem o que negociar."

    MULTA MAIS ALTA

    Atualmente, o Código Nacional de Trânsito prevê uma multa de R$ 1.915 para quem promover nas vias públicas competição, eventos organizados, exibição e demonstração de perícia sem permissão da autoridade de trânsito.

    A atual punição será mantida, mas, no caso da obstrução deliberada com o uso veículo, o condutor será enquadrado em uma infração gravíssima e será aplicada uma multa de trânsito de R$ 5.746, podendo dobrar o valor para R$ 11.492 em caso de reincidência.

    Bloqueios

    BAHIA

    A PRF informou que, por volta das 11h, a BR-20 estava bloqueada no trecho de Luiz Eduardo Magalhães (km 195). O trecho foi liberado entre 12h e 14h.

    MINAS GERAIS

    Nesta manhã, havia manifestação de caminhoneiros em dois trechos da BR-381. Na região de João Monlevarde (km 359) havia interdição parcial da via e em Nova Era (km 338) a via não tinha sido bloqueada. Segundo informações da PRF, os trechos estavam liberados às 11h.

    MATO GROSSO DO SUL

    Há interdição parcial da pista na BR-163, na altura de Rio Brilhantes (km 324). De acordo com a PRF, o trecho estava liberado às 16h.

    MATO GROSSO

    A PRF registrou interdição parcial da pista por volta das 14h na BR-364, região de Diamantino (km 613). A pista segue parcialmente interrompida às 18h. Além disso, a BR-163, em Nova Mutum, foi interditada parcialmente perto das 18h.

    PARANÁ

    Nas rodovias estaduais, segundo o Batalhão de Polícia Rodoviária, caminhões interditam parcialmente a PR-466, km 145, próximo ao município de Manoel Ribas desde terça às 22h:20. A Polícia Rodoviária informou que o trecho foi liberado por volta das 11h30. Em Guarapuava, a pista da BR-277 foi parcialmente interditada por volta das 16h.

    SANTA CATARINA

    No início da manhã, caminhoneiros ocupavam uma faixa da BR-116, região de Papanduva (km54), impedindo apenas a passagem de caminhões. O trecho foi liberado por volta das 9h30, informou a PRF-SC.

    RIO GRANDE DO SUL

    O Estado, que até agora liderava o número de manifestações, registrava só duas às 14h: em Santa Rosa (BR-472) e em Porto Xavier (BR-392), sem nenhuma interdição.

    TOCANTINS

    Duas rodovias federais estavam interditadas no Tocantins. A BR-242, na região de Taguatinga (km 5), foi bloqueada parcialmente mas foi liberada entre 12h e 14h e a BR-153, na região de Colinas do Tocantins (km 240), também chegou a ser interditada mas foi liberada por volta das 11h,

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017