• Mercado

    Wednesday, 22-Nov-2017 01:40:03 BRST

    MARCAS DA CRISE

    Empreendedorismo cresce sem foco em inovação

    ÉRICA FRAGA
    DE SÃO PAULO

    28/08/2016 02h00

    A recessão contribuiu para um boom na criação de empresas muito pequenas por parte de trabalhadores que perderam seus empregos.

    Essa tendência tem evitado o aumento do emprego informal. Mas o fato de a maioria dos novos empreendimentos se concentrar em atividades pouco sofisticadas pode prejudicar a eficiência da economia brasileira no futuro.

    A fatia da população ocupada que trabalha por conta própria aumentou de 22,9% entre abril e junho de 2014 –quando a atual recessão teve início– para 25,2% no segundo trimestre deste ano, segundo dados do IBGE.

    No mesmo período, o percentual da população ocupada atuando sem carteira assinada ficou praticamente estável, em torno de 11%.

    Isso tem ocorrido porque milhares de profissionais que perderam seus empregos decidiram montar um negócio próprio, em uma tendência chamada "empreendedorismo por necessidade".

    Microempreendedores dominam criação de novas empresas - % dos MEIs no total. de janeiro a junho de cada ano

    O incentivo para esse processo vem de uma legislação aprovada em 2009 que estabeleceu a figura do microempreendedor individual.

    "Muitos profissionais que viram microempreendedores já têm um plano de negócios na cabeça. A legislação evita que eles desenvolvam isso na informalidade", afirma Guilherme Afif Domingos, presidente do Sebrae.

    A categoria dos MEIs engloba empresas com, no máximo, um empregado –que receba o piso da categoria ou um salário mínimo– e R$ 60 mil de faturamento anual. Os empreendimentos que se enquadram nessas características pagam R$ 50 de encargos ao mês (entre contribuição previdenciária e tributos).

    Segundo dados exclusivos da Serasa Experian, oito em cada dez do pouco mais de 1 milhão de empresas que surgiram no país no primeiro semestre de 2016 são MEIs.

    Entre os 20 ramos de atividade que concentram 80% dos novos negócios, 16 são de baixo valor agregado, termo usado para designar setores que contribuem pouco para o aumento da inovação e da eficiência da economia.

    É o caso de segmentos como serviços de alimentação e de embelezamento pessoal.

    "A vasta maioria dos novos negócios se concentra em ramos com produtividade muito baixa", afirma Luiz Rabi, economista da Serasa.

    Esse é o lado negativo da tendência de expansão desses empreendimentos.

    Crise empurra trabalhadores para negócios próprios - Posição na ocupação (como % do total de trabalhadores)

    Um dos problemas graves que a economia brasileira já enfrentava antes do início da recessão era a expansão lenta de sua eficiência, ou seja, da capacidade de produzir mais com menos recursos. A crise agravou isso.

    Serviços pouco sofisticados, com baixo uso de tecnologia e potencial de inovação, dificilmente contribuirão para reverter esse processo e podem, ao contrário, agravá-lo.

    Segundo o economista Bernard Appy, para que isso não ocorra, é necessário criar incentivos a fim de que os pequenos empreendedores com maior potencial de inovação invistam para crescer.

    Esse ímpeto, ressalta ele, é freado porque há um salto grande nos custos para manter uma empresa no Brasil conforme seu faturamento cresce. "O risco é que esses novos MEIs não evoluam", diz ele, que é diretor do Centro de Cidadania Fiscal.

    A recessão também dificulta a expansão dos negócios e tem gerado o efeito contrário. De acordo com Afif, do Sebrae, há casos de microempresas virando MEIs. Isso ajuda a explicar o encolhimento na quantidade de empregadores no país, que caiu de 4,4% do total da população ocupada no terceiro trimestre de 2015 para 4,1% entre abril e junho deste ano.

    A série "Marcas da Crise" mostra os impactos provocados pela recessão, talvez a mais profunda da história do país. Alguns dos efeitos podem afetar a capacidade de reação da economia. Veja as outras reportagens da série em: folha.com/marcasdacrise

    Edição impressa
    [an error occurred while processing this directive]

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017