• Mercado

    Thursday, 23-Nov-2017 16:16:37 BRST

    MARCAS DA CRISE

    Incentivo fiscal é insuficiente para fomentar negócios, diz economista

    ÉRICA FRAGA
    DE SÃO PAULO

    28/08/2016 02h00

    Karime Xavier / Folhapress
    O executivo Leonardo Potengy foi demitido em 2014 e decidiu abrir um negócio próprio

    Depois de 20 anos de carreira na área de auditoria de empresas, o executivo Leonardo Potengy, 42, foi demitido em outubro de 2014.

    Durante um ano, tentou, sem sucesso, conseguir outro trabalho e acabou empurrado para o "empreendedorismo por necessidade".

    "Comecei a fazer uma combinação de bolo com pudim que fez sucesso entre amigos e acabei transformando isso em negócio", conta ele, que montou a Flancake.

    Mas o empreendimento não tem gerado bom retorno. "O faturamento de maio foi a metade do de abril, que já tinha sido a metade do de março", afirma ele, que voltou a procurar emprego.

    A proliferação de microempreendedores em ramos muito parecidos é, segundo Potengy, um freio ao negócio.

    Outro problema, segundo ele, é a cultura limitada de empreendedorismo no país.

    "O ensino no Brasil prepara os alunos para serem bons funcionários, e não empreendedores. Se isso fosse diferente, talvez os pequenos negócios fossem mais produtivos."

    Negócios se concentram em serviços de baixa qualificação - % das empresas criadas no primeiro semestre de 2016

    Para o economista Rudi Rocha, da UFRJ, incentivos tributários não são suficientes para estimular o empreendedorismo. Rocha fez uma pesquisa com dois outros economistas sobre os efeitos da legislação que criou os MEIs, analisando dados até 2012, antes do início da recessão.

    Eles concluíram que o programa teve algum efeito na atração de trabalhadores informais para a formalidade, mas não foi capaz de induzir o novo empreendedorismo.

    "O programa é positivo por facilitar a contribuição previdenciária. Mas, para fomentar o empreendedorismo, são necessárias outras políticas."

    Para especialistas, políticas educacionais específicas e incentivos à inovação são necessários para estimular empreendedorismo.

    A série "Marcas da Crise" mostra os impactos provocados pela recessão, talvez a mais profunda da história do país. Alguns dos efeitos podem afetar a capacidade de reação da economia. Veja as outras reportagens da série em: folha.com/marcasdacrise

    Edição impressa
    [an error occurred while processing this directive]

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017