• Mercado

    Monday, 18-Dec-2017 08:39:13 BRST

    operação carne fraca

    BRF diz que houve 'mal-entendido na interpretação' de áudio sobre papelão

    DE SÃO PAULO

    18/03/2017 15h02 - Atualizado às 18h42

    Divulgação
    BRF está se preparando para tentar levantar cerca de US$ 1,5 bilhão com a venda da unidade OneFoods
    BRF questiona interpretação da PF a áudios de funcionários em unidade do Paraná

    A BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão, afirmou que houve "mal-entendido na interpretação" de um áudio divulgado pela Polícia Federal em que dois funcionários da empresa supostamente falariam sobre misturar papelão com embutidos. A BRF é alvo da operação Carne Fraca da PF, deflagrada na sexta-feira (17) contra um esquema de corrupção na fiscalização de frigoríficos no Brasil.

    Em seu relatório, a PF cita uma conversa entre dois funcionários da unidade da empresa em Carambeí, no Paraná:

    Funcionário 1 - O problema é colocar papelão lá dentro do CMS [matéria-prima para a produção de embutidos] também, né?... Tem mais essa ainda... só que não dá pra mim tirar. É... eu vou ver se eu consigo colocar em papelão. Agora, seu eu não consegui em papelão, dai eu vou ter que... condenar

    Funcionário 2 - Ai tu pesa tudo que nós vamos dá perda. Não vamos pagar rendimentos isso

    OPERAÇÃO CARNE FRACA
    PF deflagra ação em grandes frigoríficos

    O diálogo repercutiu nas redes sociais.

    Segundo a empresa, quando falou em papelão, o funcionário estava se referindo às embalagens do produto, e não ao seu conteúdo.

    "Quando ele diz 'dentro do CMS', está se referindo à área onde o CMS é armazenado. Isso fica ainda mais claro quando ele diz que vai ser se consegue 'colocar EM papelão', ou seja, embalar o produto EM papelão, pois esse produto é normalmente embalado em plástico", afirma a BRF em nota.

    Na frase seguinte, diz a empresa, o funcionário "deixa claro que, caso não obtenha a aprovação para a mudança de embalagem, terá que 'condenar" o produto, ou seja, descartá-lo."

    PRISÃO

    O gerente de relações institucionais da BRF, Roney Nogueira dos Santos, foi preso na madrugada deste sábado (18) quando desembarcava no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo.

    Em nota, a BRF disse que o executivo apresentou-se voluntariamente às autoridades brasileiras, vindo da África do Sul, onde estava a trabalho, para prestar todos os esclarecimentos necessários às autoridades.

    A assessoria de imprensa da empresa não soube informar para onde Santos foi levado ao ser detido.

    Sua prisão já havia sido decretada na sexta (17), juntamente com a de André Baldissera, diretor da BRF para o Centro-Oeste.

    Ao todo, 32 empresas são investigadas pela operação, entre elas a JBS, dona das marcas Seara e Big Frango.

    Edição impressa
    [an error occurred while processing this directive]

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017