• Mercado

    Sunday, 19-Nov-2017 23:52:07 BRST

    Imposto de Renda

    Aumento de Imposto de Renda não passa na Câmara, diz Rodrigo Maia

    RANIER BRAGON
    DE BRASÍLIA

    08/08/2017 16h50

    Horas depois de Michel Temer confirmar a existência de estudos para aumentar a alíquota do Imposto de Renda , o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta terça-feira (8) que a medida não seria aprovada pela Casa.

    "Se tiver que passar pela Câmara, não passa", disse o deputado, que é aliado de Temer, em rápida entrevista.

    Mais cedo Temer havia confirmado estudos sobre o assunto, ressaltando que eles são rotineiros, mas que não há nada decidido.

    "Há os mais variados estudos. Mas são estudos que se fazem rotineiramente", disse o presidente da República. O Planalto reiterou, mais tarde, que não vai encaminhar uma proposta de aumento de IRPJ.

    Segundo os jornais "O Globo" e "O Estado de S. Paulo", o governo estuda um pacote de aumento de impostos para quem ganha salários maiores de R$ 20 mil. Para haver essa mudança é preciso a aprovação pela Câmara e Senado.

    PREVIDÊNCIA

    Temer também afirmou que há uma "necessidade imperiosa" de se fazer a reforma da Previdência, quase uma semana depois de conseguir barrar a denúncia por corrupção na Câmara.

    "Neste ano o deficit previdenciário é de R$ 284 bilhões e no ano que vêm de R$ 205 bilhões, se nós não fizermos esta reforma vai ser dificílimo enfrentar os próximos anos", afirmou, em um congresso da Fenabrave (associação das concessionárias de veículos).

    O discurso foi feito após executivos do setor, o presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM) e o governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB) cobrarem que a reforma seja feita com celeridade.

    Tanto Alckmin como Maia se comprometeram a ajudar nas articulações para que ela seja aprovada.

    Ao público de executivos, Temer também defendeu que as reformas política e tributária –com simplificação de tributos– sejam aceleradas no Congresso.

    Segundo ele, têm sido feitos nos últimos anos "pequenos remendos" na Previdência, que não foram suficientes para estancar o deficit a partir dos próximos anos.

    O presidente voltou a dizer que o Brasil precisa de medidas desestatizantes."Temos que tentar mudar um pouco a cultura que existe no Estado brasileiro de que não se pode prosperar se não transferir várias de suas atividades para a iniciativa privada", disse.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017