• Mercado

    Saturday, 18-Nov-2017 19:29:53 BRST

    Pequenas empresas se abrem para receber funcionários transexuais

    EVERTON LOPES BATISTA
    JÚLIA BARBON
    DE SÃO PAULO

    20/08/2017 02h00

    O site Transempregos, que divulga vagas de trabalho para transexuais e travestis, contava com 160 currículos cadastrados em 2013, ano em que foi inaugurado. Atualmente, são mais de mil.

    A plataforma foi um dos canais usados pela hamburgueria Castro, inaugurada no fim de 2016 na Vila Mariana, zona sul de São Paulo, para acrescentar diversidade ao negócio. Uma chamada publicada no site convidava pessoas de todos os gêneros e orientações sexuais para participar de uma seleção.

    A transexual Roberta Proença Gouvea, 41, se candidatou e conseguiu a vaga de recepcionista do local, que tem 16 funcionários no total –dois deles são trans.

    "A proposta da Castro me deu muita esperança para conseguir o emprego. Eu fui tratada como uma candidata de verdade", afirma ela.

    Segundo Luiz Felipe Granata, um dos sócios da Castro, a proposta é ser um ambiente "não excludente" para funcionários e clientes.

    "A maior diferença de trabalhar em um lugar como esse é poder ser quem você realmente é e se sentir seguro", afirma o transexual Bruno Mikó, 23, que trabalha como auxiliar de cozinha ali.

    Com um investimento inicial de R$ 400 mil, o faturamento deve chegar a R$ 2,4 milhões neste ano. Os donos já planejam abrir uma franquia no próximo ano.

    O estabelecimento faz parte de um grupo cada vez maior de empresas que têm procurado transgêneros –pessoas que se identificam com um gênero diferente do indicado pelos órgãos genitais de nascimento– para fazer parte de seu quadro de funcionários.

    FALTAM DADOS

    As dificuldades para conseguir trabalho ocorrem tanto por preconceito quanto por invisibilidade –não há dados sobre a empregabilidade de transgêneros no país.

    Segundo a empresária e travesti Márcia Rocha, que administra a Transempregos de forma voluntária, cerca de 40% dos candidatos cadastrados na plataforma têm nível superior. "Mas mesmo para pessoas mais bem qualificadas, o mercado ainda é bastante hostil", afirma ela.

    Gouvea, por exemplo, tinha ensino médio, dois idiomas –além do português, ela fala inglês e espanhol– e um intercâmbio no currículo. "Era mais fácil quando eu escondia das pessoas que eu era trans", afirma.

    Aos 18 anos, Paloma Castro, também trans, desistiu de procurar emprego e passou a se prostituir. Hoje, aos 26 anos, é garçonete no Casa Café Teatro, na Bela Vista, região central de São Paulo.

    O salário de R$ 1.191 permitiu que ela saísse das ruas enquanto termina um curso técnico em gestão de qualidade.

    Histórias como a dela, no entanto, ainda são exceção. "Ainda é pouco, porque é muito recente. Temos muito trabalho a fazer", diz Márcia Rocha. "Mas sinto que a coisa realmente está acontecendo, não estou dando conta de tantas reuniões e capacitações."

    AÇÕES

    A IBM foi uma das criadoras, em 2013, do Fórum de Empresas LGBT. A organização informal reúne 39 grandes companhias que se comprometem com ações como usar o nome social do funcionário trans (em crachás e e-mails, por exemplo) e não restringir o uso de banheiros.

    "Pessoas diversas trazem maior produtividade à empresa. Se eu fechasse essa porta, perderia bons recursos", diz Adriana Ferreira, líder de diversidade e inclusão da IBM Brasil.

    Na outra ponta, para que essas pessoas cheguem melhor preparadas até as empresas, foi criado, em 2015, o projeto Transcidadania, da Prefeitura de São Paulo.

    A iniciativa paga uma bolsa mensal de R$ 983,55 por até dois anos, enquanto os beneficiários, transexuais e travestis, voltam para a escola, fazem cursos profissionalizantes e são acompanhados por advogados e psicólogos.

    Hoje, o programa tem 175 participantes.

    No entanto, a baixíssima escolaridade e o envolvimento com drogas impedem, em alguns casos, que a pessoa esteja pronta para o trabalho no final dos dois anos, afirma Ivan Batista, coordenador de políticas para LGBT na Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania do município.

    Para isso, diz o coordenador, está sendo criado um comitê envolvendo os departamentos de educação e saúde da cidade, para que esses fatores sejam tratados antes do ingresso no programa.

    A Coordenação de Políticas LGBT, também da prefeitura, oferece ainda capacitação para empresas que queiram receber trabalhadores trans e conhecer a a lei estadual 10.948, criada em 2001 para proteger a comunidade LGBT nas relações de trabalho.

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017