• Mercado

    Sunday, 17-Dec-2017 17:22:36 BRST

    Bilionário egípcio se diz 'decepcionado' com problemas na recuperação da Oi

    DA REUTERS

    05/10/2017 16h33

    Barry Iverson/Alamy/Latinstock
    Suez Canal - 6 August 2015 - Egyptian billionaire Naguib Sawiris at the inauguration of the expansion of the New Suez Canal, doubling capacity of shipping in the canal and decreasing waiting times.Photo Barry Iverson / Alamy /Latinstock ORG XMIT: F2FCH7 ***DIREITOS RESERVADOS. NÃO PUBLICAR SEM AUTORIZAÇÃO DO DETENTOR DOS DIREITOS AUTORAIS E DE IMAGEM***
    O bilionário egípcio Naguib Sawiris, controlador da operadora Orascom TMT Holdings SAE

    O bilionário egípcio Naguib Sawiris disse nesta quinta-feira (5) que deixou em compasso de espera seu interesse em investir na Oi devido às dificuldades ainda enfrentadas pela companhia em recuperação judicial e falta de tomada de decisões.

    O potencial investimento da Orascom TMT Holdings SAE, a operadora controlada por Sawiris, será analisado novamente caso os credores e acionistas da Oi encerrem suas disputas, disse o bilionário à Reuters durante uma conferência em Capri, na Itália.

    A Oi, que está passando pelo maior processo de recuperação judicial da história do Brasil, com R$ 65 bilhões em dívidas, atrasou diversas vezes colocar em votação por credores um plano de recuperação. A Orascom havia oferecido em dezembro uma troca de dívidas por ações e injeção de capital de até US$ 1,25 bilhão na Oi, com a condição de que houvesse um acordo com os credores.

    Esta semana Ricardo Malavazi renunciou como diretor financeiro da Oi após desentendimentos sobre o plano de recuperação entre alguns dos acionistas da operadora. O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) disse que a renúncia de Malavazi contribui para as chances de uma intervenção.

    "Não estou feliz com a situação e coloquei meu interesse em espera", disse Sawiris. "Se houver alguma coisa a ser feita de maneira razoável, eu vou olhar, mas agora eu estou decepcionado com todas as partes envolvidas neste assunto."

    Representantes da Oi não comentaram o assunto.

    "No negócio de telefonia móvel, velocidade e decisões rápidas são importantes", disse Sawiris. "Companhias que não veem os avanços da tecnologia e não investem na hora certa vão à falência."

    Nesta semana, o presidente-executivo da Oi, Marco Schroeder, afirmou que a Oi vai concluir detalhes do plano de recuperação judicial até a próxima quarta-feira, para ser apresentado a assembleia de credores em 23 de outubro.

    Enquanto isso, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), adiou nesta quinta-feira pedido da Oi para troca de multas por investimentos. A operadora deve mais de US$ 10 bilhões em multas cobradas pela agência, que tem afirmado que votará contra plano de recuperação da Oi se os débitos da autarquia forem incluídos na assembleia de credores.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017