• Mercado

    Wednesday, 22-Nov-2017 01:38:38 BRST

    22% dos brasileiros vivem abaixo da linha da pobreza, diz estudo

    JOANA CUNHA
    DE SÃO PAULO
    ÁLVARO FAGUNDES
    EDITOR-ADJUNTO DE "MERCADO"

    31/10/2017 02h00

    Nova métrica que passou a ser usada neste mês pelo Banco Mundial para delimitar a quantidade de pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza eleva de 8,9 milhões para 45,5 milhões o número de brasileiros considerados pobres –1/5 da população.

    A instituição decidiu complementar a linha de pobreza tradicional –que traça o corte em consumo diário inferior a US$ 1,90– com outras duas delimitações mais ajustadas às realidades de cada país.

    Uma nova linha passa a ser demarcada em US$ 3,20, representando a mediana das linhas para países de renda média baixa. A outra linha é de US$ 5,50 por dia, que corresponde à mediana das linhas de pobreza dos países de renda média alta, entre os quais se inclui o Brasil.

    CURVA INTERROMPIDA - Fatia da população brasileira que está abaixo da linha da pobreza, em %

    "Ser pobre no Maláui ou em Madagáscar é diferente de ser pobre no Chile, no Brasil ou na Polônia", diz Francisco Ferreira, economista do Banco Mundial.

    No caso de países como o Brasil, o volume de pessoas que vivem abaixo da linha de US$ 1,90 é pequeno, ou seja, esse corte não captura a real pobreza do país.

    "Muito pouca gente vive com US$ 1,90 por dia no Brasil, graças a Deus. Mas quem vive com US$ 2,00 ainda é pobre para os padrões brasileiros e para os padrões dos países de renda média alta", diz.

    A parcela de pobres no Brasil, que vinha diminuindo ao longo da última década, voltou a subir em 2015, apontam os dados do Banco Mundial.

    Sob a linha de US$ 1,90 por dia a fatia da pobreza correspondia a 3,7% em 2014 e subiu para 4,3% no ano seguinte. Quando a régua sobe para US$ 5,50 diários, a parcela de brasileiros abaixo da linha vai a 20,4% em 2014, crescendo para 22,1% em 2015.

    A República Democrática do Congo serve como exemplo de país em que a linha de US$ 1,90 é coerente porque abaixo dela sobrevivem 77% da população. Elevar nesse país a linha para US$ 5,50 seria desnecessário do ponto de vista estatístico porque abrangeria quase a totalidade da população.

    COMO ESTÁ O BRASIL NA COMPARAÇÃO INTERNACIONAL - Proporção da população que ganhava menos de US$ 5,5 ao dia em 2015

    Segundo Ferreira, a ideia é ter, portanto, linhas para comparações internacionais mais apropriadas aos contextos dos países de diferentes níveis de desenvolvimento.

    A escala de US$ 1,90 continua sendo a medida principal, usada pelo banco como marco para a meta de erradicação da pobreza extrema no mundo em 2030.

    Os novos parâmetros adicionais foram bem avaliados por economistas.

    "Parece positivo considerar linhas de pobreza mais realistas. A de US$ 1,90 subestima a pobreza de países não pobres", diz Celia Kerstenetzky, professora da UFRJ.

    Segundo ela, é "louvável" considerar as múltiplas dimensões de bem-estar para medir a pobreza, e não apenas a renda, um conceito alinhado às ideias defendidas por Amartya Sen, indiano laureado com o Nobel de Economia, cujo trabalho é mencionado pelo Banco Mundial na justificativa para a adoção das novas linhas complementares.

    "Ao incorporar a sugestão de Sen, reduz-se a subestimação da pobreza em países de renda média e ricos, já que as novas linhas levam em consideração que o acesso a diferentes conjuntos de bens e serviços pode ser mais custoso em países mais ricos", diz.

    Kerstenetzky pondera, contudo, que a sugestão de Amartya Sen é apenas "parcialmente" incorporada.

    "Permanece invisível o problema crucial de que diferentes países participam de modo diferente na provisão de bem-estar à população. Países com Estado do bem-estar robusto oferecem serviços de saúde, educação, transporte e outros sem custo direto aos usuários ou muito subsidiados", afirma a professora.

    Edição impressa

    Fale com a Redação - leitor@grupofolha.com.br

    Problemas no aplicativo? - novasplataformas@grupofolha.com.br

    Publicidade

    Folha de S.Paulo 2017